Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

29
Dez 13

foto de: A&M ART and Photos

 

um pequeno silêncio de espuma verde envolvia o teu corpo

a nuvem do desejo acordava lentamente nos teus olhos

havia um pequeno holofote a que chamavam de solidão...

e permanentemente em suspenso... começava a desaparecer do céu tua mão

o medo vestia-se com a roupa tua da noite anterior

trazias na algibeira pequenos sons melódicos e papeis poéticos

que decidimos lançar na fogueira da lareira da insónia

abrimos a janela da noite

e a noite recebeu-nos como se fossemos dois pássaros moribundos

cansados de voar

o teu corpo mergulhava no meu

e um líquido esponjoso ressaltava contra os vidros tristes da madrugada

queria ser como tu

uma rosa sem destino

sem nome

apenas numa palavra...

apenas

e só

uma letra prisioneira no teu cabelo castanho...

tínhamos o luar e as estrelas convexas do céu da inocência

e as lágrimas da tarde junto ao rio

deixaram de correr no teu rosto de roseira brava

agarravas-me com os teus dentes de marfim

e sentia no meu peito as tuas garras de mpingo solitárias das ruas da cidade dos morcegos

e tão triste

o apego

o sossego

o desemprego...

e só

tão só

que suicidou-se ao primeiro segundo de acordar a luz triangular do sorriso...

desgovernado

embriagado...

apenas

e só...

ele... o coitado... um pequeno silêncio de espuma verde envolvido no teu corpo.

 

 

(não revisto)

@Francisco Luís Fontinha – Alijó

Domingo, 29 de Dezembro de 2013

publicado por Francisco Luís Fontinha às 20:15

28
Dez 13

foto de: A&M ART and Photos

 

o que faço sem perceber que a teia de aranha do teu olhar é falsa

como são falsas todas as palavras que me escreveste,

esperei-te acreditando nos jacarés de mpingo com dentes em marfim,

acreditei,

chorei,

dormi solenemente no teu jardim...

e esperei,

esperei... esperei e quando acordei,

o que faço sem perceber,

que,

a teia

de

aranha...

do teu olhar,

é,

é falsa...

 

 

@Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sábado, 28 de Dezembro de 2013

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:39

21
Jul 13

foto de: A&M ART and Photos

 

Pertencer-me-ás sílaba de papel que deixei suspensa em teus lábios cerâmicos

depois de adormecer sobre ti a noite com cinco estrelas de marfim?

Pergunto-me sem perceber que há muito perdi a esperança de levemente pegar em sílabas

que há muito me esqueci das rosas que roubavas nos jardins junto ao Tejo...

pertencer-me-ás, tu, sílaba em papel mergulhada em beijos de tinta?

 

(não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 17:13

18
Ago 12

A noite insiste

no fracasso das minhas mãos sobre o teu rosto

fico sem perceber se és real

ou se foste esculpida num pedaço de marfim

que ficou esquecido num musseque em Luanda

olho-te

e sinto que existe em ti um jardim abandonado

com todas as flores e todos os pássaros vestidos de fantasma

e que se passeiam nas noites de ninguém

a noite insiste

que dos teus lábios

irão nascer narcisos com os olhos recheados de lágrimas

 

no fracasso das minhas mãos.

publicado por Francisco Luís Fontinha às 11:53

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

17
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO