Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

22
Nov 14

(para os meus pais)

 

 

O “foda-se” triplicado na equação do Adeus

a morte

o corpo evapora-se e viaja em direcção a um punhado de fotografias a preto e branco

a roldana da insónia range

gritaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa..................................

não posso mais

estou mergulhado no teu sorriso como um pêndulo sem alicerce

embriago-me nas tuas pérolas falsificadas

olho-me no espelho... pareço um falhado construído de cartão

sem coração

em revolução...

apetece-me matar todas as flores do teu jardim

aprisionar os pássaros dos teus sonhos...

não posso mais com rostos transformados em nada

corpos cadentes

e lágrimas

o “foda-se” triplicado na equação do Adeus

a morte

o corpo vacila no sentido descendente da impaciência

penso

escrevo...

nada... apenas “merda”

e

e complicadas matrizes melódicas

a fome que não é fome...

e quando apareço nos seus cabelos...

ela me inventa equações sem resolução

os anais

sem personagens vestidas de marinheiro desempregado

o estranho

a pintura de engano das tuas veis desalojadas do Sol

e desengano-me a cada pedra de xadrez...

 

 

 

(não sou eu...)

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sexta-feira, 21 de Novembro de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 00:26

26
Fev 14

foto de: A&M ART and Photos

 

A imagem tua estampada no rosto inverso do vidro

vêem-se de ti os cabelos da madrugada trigonométrica procurando senos e cossenos

e dentro do círculo trigonométrico

os teus tristes lábios em três quartos de pi radianos

a imagem acorda em ti e cansa-se do silêncio transferidor

e as lágrimas envergonhadas como pedras fundeadas na ribeira do Adeus

desaparecem ao amanhecer

tenho medo confesso-lhe

e ela desesperadamente

desenha-me na ardósia manhã como beijos tangenciais ao quadrado do Amor

o rio flui até encostar-se à fórmula fundamental da trigonometria...

e percebo que o seno ao quadrado de alfa mais o cosseno ao quadrado de alfa é igual à unidade... a (imagem tua estampada no rosto inverso do vidro...)

 

Imagino-te nua sem saberes que no espelho encarnado vivem gaivotas veleiros

e pernaltas petroleiros

 

A imagem tua estampada no rosto inverso do vidro

a equação da Saudade desfaz-se em pedacinhos papeis...

que voam em direcção ao infinito onde se abraçam rectas paralelas e ventos circunflexos

corpos incandescentes ardem como ângulos adormecidos

há lareiras em desejo na janela da noite

quando os versos transformam-se em sanduíches de nada

e do nada

a tua imagem sem saber que as integrais triplas são amantes dos cossenos hiperbólicos...

a matriz transposta invade o púbis da matriz inversa

choras...

dormes... como uma criança deitada na equação diferencial da paixão

e a tua imagem... e a tua imagem esconde-se na lixeira do inferno.

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Quarta-feira, 26 de Fevereiro de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:51

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

17
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO