Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

MENU

os roseirais da tia Guilhermina

Francisco Luís Fontinha 28 Ago 13

foto de: A&M ART and Photos

 

não percebes que vivo enclausurado num caixote de vidro

que uso suspensórios

tenho falhas de memória

não percebes que eu vivo

prisioneiro de uma tempestade de areia

onde vivem nuvens com perfume de laranjeira...

que adormeço sonhando com rochas suspensas no tecto do sótão enraivecido

dos gritos vulcânicos da montanha da morte

 

não percebes que és uma mentira vestida de negro

passeando pela noite até encontrar o espelho da vaidade

sorrindo às vezes

chorando quando caiem os desenhos abstractos das paredes envergonhadas...

(sou de ti) responsável pelo teu fingimento

como são os livros das tuas mãos

como são...

os roseirais da tia Guilhermina

 

marinheiros vagabundos dormindo sobre mesas embriagadas

e não percebes

não entendes

que há marés de madeira

e todas as semanas aparece um Pôr-do-Sol nos cortinados do medo

os roseirais da tia Guilhermina

morrem e querem de ti o esqueleto mentiroso

que as palavras dissipam na claridade dos pequenos teus olhos verdes

 

 

(não revisto)

@Francisco Luís Fontinha – Alijó

Quarta-feira, 28 de Agosto de 2013

A catalogadora de ossos

Francisco Luís Fontinha 7 Fev 13

As cerejas pareciam loucas de ciúme enquanto ele saboreava um cacho de uvas cor de sílabas mentirosas e sorrisos de poeira, e conforme o retirou da nobre videira assim foi saboreando cada bago, bolinhas de sumo com sabor inconfundível, bolinhas imaginárias com olhos de prata apontando os desfiladeiros que o levavam até ao rio, curvas de carris caminhavam como se fossem grãos de areia a descer a montanha, bem lá no altíssimo altar da natureza, jazia um abrunheiro com bronquite e ao lado, na cama número treze, um pequeno pessegueiro a queixar-se de dores intensas na coluna, o médico, um castanheiro de meia-idade tinha-lhe diagnosticado reumatismo agudo, devido à doença da Tinta, em frente a ele, na cama número nove dormia o limoeiro, que devido aos sedativos que sobejavam dos pingos das bolhas castanhas que uma fina prata de alumínio derramava, pedrado como os seixos brancos dos mares clandestinos, há dois dias que tinha levantado voo e apenas víamos o corpo esquelético sobre os cobertores de aço onde se deitava, o resto

Ninguém sabia onde encontrar,

Tinham-se esquecido de encerrar as janelas, estava vento, tínhamos medo que a sua força levasse os frágeis ossos do adormecido limoeiro, uma roseira, experiente catalogadora de ossos, numerou-os, e um a um, todos, como se fossem pedras de granito quando um ricaço qualquer as resolve transladar para outro local, a bananeira, desenhadora e escritora, fez o respectivo esboço, e assim, tínhamos a garantia que tudo o que acontecesse ao coitado do limoeiro, sempre o podíamos reconstruir, e levá-lo para outro local, se necessário,

Tenho quarenta e sete anos, sou um plátano e perdi vinte e cinco quilogramas, e tudo por apenas três drageias por semana, agora sinto-me..., sinto-me como se tivesse vinte anos, o tronco está mais delgado, e os meus ramos, encolheram, e agora até já consigo sentar-me num dos bancos de madeira que vivem no jardim ou baixar-me e colocar a caixa vazia de cigarros na papeleira, e tudo quase sem esforço, e tudo por pouco dinheiro,

E ninguém sabia onde encontrá-lo, na aldeia até já tinham pedido ao senhor Prior para rezar uma missa pela sua pecadora alma, e em uníssono diziam

Coitado do limoeiro, no fundo era um desgraçado, e tirando o vício, uma jóia, uma jóia de árvore

O senhor Prior rezou a missa pelo seu desaparecimento, ao centro da Igreja tinham colocado a fotografia a preto e branco de quando ele ainda era uma árvore robusta, forte, e nem a mais agreste das tempestades a conseguiam derrubar, mas agora, agora vive na agonia de partir sem que venham a saber a verdadeira história dele, e talvez por essa razão, hoje relate a vida e os saborosos limões que este meu amigo limoeiro deu, vendeu, e se não fosse o maldito vento

Ninguém sabia onde o encontrar, e o maldito vento conseguia arrastar as rochas do fundo do mar até ao santuário, nas algibeiras viemos a descobri pedaços de corda de nylon, não percebíamos qual a sua utilidade, mas hoje sabemos que foi com essas mesmas cordas que o triste limoeiro se suicidou, quando acordou da sonolenta paixão pelas bolhas castanhas, amarrou-se com uma das pontas da corda de nylon e a outra ponta prendeu-a a um dos pilares da enfermaria, depois

Depois coitado, ninguém sabia onde o encontrar,

E depois, quando já a noite poisava sobre o pavimento irregular da enfermaria-montanha, ergueu-se, cruzou os braços e voou em direcção ao abismo, e gritava enquanto sufocava

Detesto mentiras, Detesto mentiras, Detesto...

 

(texto de ficção não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

Sobre o autor

foto do autor

Feedback