Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

11
Abr 13

foto: A&M ART and Photos

 

Disseram-me se subisse a montanha eu ganhava o sono eterno, o morcego de prata que alimenta as noites de luar e estrelas em queda, anjos de gravata às gargalhadas pela plateia dos sonhos, onde estão sentados

(meninas, meninos, senhoras, homens e donzelas de extrema beleza, também tenho de reconhecer que perdi a paciência quando me dizem – Sistema fora de serviço, obrigado, seremos breves – e as meninas e os meninos e as senhoras e os homens e as donzelas prateadas, sentados, sentadas, numa cadeira de praia à espera que o palco da vida regresse das planícies de madeira coloridas com carpetes de veludo, vermelho, verde e cinzento, como os dias e as noites, depois de partirem as embarcações com velas bordadas por tais donzelas, ou são belas, ou... velas de estearina no altar da pureza e da digna virgindade do palhaço com três pernas e quatro braços, em pura madeira virgem, como a lã das camisolas com formato de cubo sem portas, ou janelas, salgadeira que hoje não se utiliza, que hoje nem para guardar o farinha de milho serve, a dita caixa de madeira, depois tínhamos um forno no quintal onde cozíamos o saboroso pão de milho, e hoje, todos e todas, morreram como morreram as amêndoas em flor)

Os palhaços, onde estão sentadas enxadas com unhas de gel e a depilação a laser, mais à frente, o engraçado do engaço ou ancinho ou pente para pentear as ervas ornamentais dos segredos depois de ultrapassarmos o muro, um buraco, tantos buracos sem gente, vazios, gira a cabeça, rodopia na cadeira, e enterra os cornos no estrume que alimenta as plantinhas e os anzóis comestíveis das galinhas de perdão perplexo, sinto frio quando converso com as janelas do insignificante desumidificador, e mesmo assim ainda há quem me queria convencer que tudo à minha volta não é verdadeiro, dizem-me – É apenas um visão – finjo que acredito, digo que sim, com o fiz quando queriam que eu subisse para cima do palco e metesse a minha mão dentro da boca de um tigre – Era o metias – não o posso fazer e perguntam-me – Porquê? - por nada... apenas porque sou alérgico ao pêlo do tigre, nada mais, e apenas isso,

(em pequenos quadrados cerâmicos o meu corpo alicerça-se e cresce em direcção à montanha)

“Disseram-me se subisse a montanha eu ganhava o sono eterno, o morcego de prata que alimenta as noites de luar e estrelas em queda, anjos de gravata às gargalhadas pela plateia dos sonhos, onde estão sentados”

(e depois voou sem saber que havia nevoeiro e pouca ou nenhuma visibilidade, desapareceu dos radares, e hoje perguntamos o que terá acontecido ao morcego prateado, que alimentava as noites e os dias, as horas e os minutos, e apenas do interior do clarão da Cinderela apaixonada pelo ilustre visitante da Ilha dos rochedos, nunca mais, nem a enxada com as suas unhas de gel, nem o engaço ou ancinho ou pente para pentear as ervas ornamentais dos segredos depois de ultrapassarmos o muro, um buraco, tantos buracos sem gente, vazios, gira a cabeça, rodopia na cadeira, e enterra os cornos no estrume que alimenta as plantinhas e os anzóis comestíveis das galinhas de perdão perplexo, sinto frio quando converso com as janelas do insignificante desumidificador, e mesmo assim ainda há quem me queria convencer que tudo à minha volta não é verdadeiro, dizem-me – É apenas um visão – finjo que acredito, foram vistos e avistados por estas paragens)

O burro puxa ordeiramente a carroça da miséria, elas, a carroça e a miséria, correm apressadamente quando são perseguidas pelas autoridades fiscalizadoras, a carroça não cumpre as normas Europeias de segurança Rodoviária e a Miséria é inconstitucional, ou não

(despeço-me com amizade, fraternidade e sinceridade, de quem ainda acredita na paciência humana, mas às vezes, como o leito dos rios, é ultrapassado o limite, e a água vai onde não deveria ir...)

E a paciência escorre calçada abaixo, ouvem-se os gritos dos vidros acabados de partir..., e mesmo assim, o grandioso espectáculo não é interrompido, os palhaços sobre uma bicicleta de arame voam sobre as cabeças ocas das sandália que também elas, como as unhas de gel, saltitam entre gargalhadas e sorrisos, o apresentador queixa-se-me que não me compreende, que não percebe o que escrevo, que não escrevo, queixa-se-me como se eu me importasse com a sua opinião, sua, dele, o apresentador do maior espectáculo do Mundo – O Circo? - nem mais, meu filho, do Circo...,

(vou-me embora)

E quando acordo, sinto um casal de pulgas amestradas em cima do meu ombro; foi a noite mais feliz da minha curta vida.

 

(ficção não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:11

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

17
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

O Morcego de Prata

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO