Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

24
Jan 20

Jazem na minha mão as palavras da saudade.

O mar alicerça-se no quadriculado caderno da madrugada,

Sílabas loucas,

Corações abandonados, numa esplanada de areia,

Esqueletos vadios,

Cansados de viver,

A luz traz as amoreiras em flor,

Mártir silêncio dos poemas adormecidos,

A paixão dos mortos,

Quando um barco se perde no Oceano,

O marinheiro afoga-se no poema,

Lê em voz alta, para todos ouvirem, os mandamentos das gaivotas,

E, sem regressar, procura o sexo na escuridão.

Salta da maré um pequeno veleiro adormecido,

De lágrimas nos olhos, grita pelas almas que partiram,

Ninguém o ouve; a luz.

Todas as manhãs, antes de acordar, o marinheiro chora pelos que partiram,

Ao longe, uma bandeira em demanda,

Sofre, grita,

Mas… não adianta.

Pelos vistos, os mortos não regressam nunca ao local de partida.

O corpo escurece,

Derrete nas pálidas madrugadas, quando do silêncio, uma criança brinca no convés do navio,

Todos os barcos, loucos,

Internados em Psiquiatria,

Enfermaria azul, cama vinte e cinco,

Drageias para todos os navios,

Não dormem,

Mas… sofrem.

Sofrem de quê?

Do silêncio,

Da solidão que provoca o silêncio.

O amor nasce entre os cortinados do camarote,

Na enfermaria, um dos barcos internado, grita pelo enfermeiro;

SOCORRO!

E, ninguém. Ninguém o ouve.

Apenas o comandante está autorizado nas visitas, poucos minutos, servem para acariciar-lhe as âncoras da tristeza,

QUERO SAIR DAQUI.

Todos o queremos.

Uns, mais, outros, menos.

Mas os barcos são teimosos, e, firmemente, alegremente, fogem…

E, só a paixão dos mortos consegue sobreviver ao destino.

Sofre. Grita.

Zurra nas amêndoas em flor, descendo socalcos,

Subindo rochedos,

E outros demais silêncios.

A loucura pertence aos pássaros,

E, aos barcos.

Torna-se na viagem mais inclinada do Universo,

Quando todos sabemos, que o mar, os pássaros e, os barcos,

Morrem.

Morrem nas clandestinas sanzalas do silêncio.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

24/01/2020

publicado por Francisco Luís Fontinha às 20:07

01
Mai 16

(à minha mãe)

 

Sou um marinheiro sem barco nem porto onde aportar.

Trago comigo a âncora da solidão cravada no coração,

Trago comigo a ausência do destino abandonado,

Sinto-me um velho encravado nas estrelas,

Pegando num livro de um poeta morto; todos os meus poetas morreram…

E pertencem agora aos meus sonhos.

Sou um verdadeiro falso,

Um falso feliz caminhando junto ao Douro,

Descendo os socalcos do teu corpo,

Encurvados na paisagem abstracta do silêncio,

Sou um privilegiado,

Tenho o dia e a noite,

Doce paixão dos mares amargurados,

Dos barcos apaixonados,

Como eu,

Apaixonado pelas tuas palavras,

Não vás.

Tenho nas veias o rio da morte,

A insónia saboreando o suspiro da noite,

Sofro tanto… meu querido,

Os apitos junto ao mar,

Eu menino agachado nas saias da minha mãe,

Via a cidade escurecer,

Desaparecer,

E morrer,

Apenas caixotes de recordações,

E o beijo da minha mãe,

Sou um marinheiro da madrugada,

Um sifilítico cadáver do desejo,

Nos teus braços,

Mãe,

As fotografias dos negros rostos da nossa infância,

As palmeiras que incendiavam o teu amor,

Junto à baía,

Os gritos das serpentes que deixamos nos quintais das outras brincadeiras,

Os pássaros, mãe, os pássaros,

Junto à janela!

 

 

Francisco Luís Fontinha

1 de Maio de 2016

publicado por Francisco Luís Fontinha às 12:29

Julho 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO