Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

20
Mai 11

No muro dos silêncios

A minha mão à procura de um buraco

Uma fenda uma nuvem

Pendurada na janela

 

No muro dos silêncios

Poiso durante a noite

A minha cabeça sem olhos…

E nos meus olhos a chuva da manhã

 

A tempestade das oito horas

Que procura na areia

O muro dos silêncios

Junto ao mar

 

Junto a uma sepultura de dor

Que me vai cobrir de sorrisos

Quando me olham

E me dizem que a manhã não existe

 

Amanhã uma mentira

Para me entreter

Para que nos meus olhos

A chuva não chuva…

 

Grãos de areia que se suspendem

Nas cordas que me prendem ao cais

Que me seguram quando na parede da sala

Um relógio tal como a manhã em mentira

 

E não oito horas

E não relógio…

E não manhã

Ou chuva

 

Andam a mentir-me desde que nasci.

 

 

 

Luís Fontinha

20 de Maio de 2011

Alijó

publicado por Francisco Luís Fontinha às 00:41

Julho 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17

19
20
21
22
23
24

26
27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

O muro dos silêncios

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO