Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

18
Out 14

A morte inventada pela dimensão do infinito,

a equação do desespero cansa-se dos meus braços,

alicerça-se na geada cinzenta dos hospícios sem janelas,

a morte cintila no tecto da solidão...

e o rio me come,

e o rio me leva... e não voltarei aos fios de nylon da cidade,

o livro de ti, arde,

e das lâmpadas do abismo... filamentos de sangue em construção,

o navio solitário escreve-se e silencia-se na montanha de uma fotografia,

há no teu olhar a neblina do pastor sem solução,

há nos teus lábios os secretos sonhos do perdão...

e não conseguirei alcançar as tuas pálpebras de anelar sombra com odor a cansaço...

morrerei como um pássaro,

a morte não sabe...

que os suspiros da hipnose madeira fantasma... flutua nas plumas de uma bailarina,

partirei,

partirei como um veleiro sem velas,

disfarçado de homem...

com uma gaivota no meu coração.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sábado, 18 de Outubro de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 14:34

17
Out 14

O triste enigma dos oceanos de cartão,

o vulcão da saudade mergulhado numa áspera lâmina de solidão,

espera-se o regresso, e o viajante sem destino... nos aplausos do silêncio,

há um circo de esperança rodopiando sob o tecto de lona da insónia,

pergunto-me porque choram as árvores de papel,

percebermos que há no seu coração uma enxada de silício,

uma roda dentada em putrefacção, perdidamente... percebermos a sinfonia dos horários obscuros,

há um Deus com esqueleto de xisto...

e de socalco em socalco,

desassossegado... suspensas as mãos em corpos de espuma, grita comigo,

absorve-me como se eu fosse um travestido cansaço com dentes de marfim,

no telhado de uma camponesa com saliva nas pálpebras,

sei que há na cidade dos pequenos charcos de doirado sangue,

uma menina com duas rectas paralelas procurando o infinito,

e sinto,

o pulsar das laranjas rochedos abaixo,

alguém escreve nos meus braços os rancores de uma tarde inexistente,

uma carta secreta com desenhos abstractos... ainda permanece na minha algibeira,

existe nela um estranho perfume com odor a dor,

o viajante desalojado carrega os livros do sofrimento,

entra num bar, senta-se... senta-se à minha frente e dou-me conta que ele é apenas um espelho fusco, negro... alguém escolhido pelo comandante do navio das indolores pinturas.... diz que me ama,

não amo, não quero amar... e não desejo que me amem,

preciso de fugir desta sanzala com olhos de incenso,

deitar-me dentro do vulcão da saudade, sentindo nas minhas veias o palpitar dos azulejos pintados à mão,

tenho medo de ti quando entras no meu quarto e me perguntas pelos malmequeres,

e não tenho coragem de dizer-te que os perdi, destruí-os pensando que eram soníferos indefesos,

pensando que eram apenas sombras de água...

como tens passado, enigma dos oceanos de cartão?

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sexta-feira, 17 de Outubro de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:47

12
Jun 11

O cansaço da noite

Abraça-se ao meu peito

Milímetros de sol poisam na minha mão

E sou observado pelo sorriso das cerejas,

 

O perfume alicerça-se-me nas narinas entupidas pelos cigarros

Retiro-a desajeitadamente da árvore suspensa na manhã

E nos meus lábios sinto a sua pele gostosa e macia

Perco-me em minutos, saboreio-a na minha boca,

 

Trinco-a e atiro o caroço contra as nuvens

Penso no rio quando me sentava a contar petroleiros na tarde

E agora percebo que o meu quintal

É um silêncio de navios rumo ao mar…

 

 

Luís Fontinha

12 de Junho de 2011

Alijó

publicado por Francisco Luís Fontinha às 12:53

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

17
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO