Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

06
Nov 14

Quando as algemas do silêncio poisam no meu finíssimo pulso de fugitivo,

ando em viagem há quarenta e dois anos,

sonhei dentro de um paquete,

que hoje...

hoje apenas sucata,

voei sobre a cidade do beijo,

e...

e do Tejo,

cansei-me dos apeadeiros sem transeuntes,

desertos,

sós... como os pedintes,

só... como o desejo,

 

Fui vagabundo nocturno,

magala desalinhado,

obstruído nas catacumbas da solidão,

drogado de profissão...

embriagado das sanzalas de granito,

com fotografias para o obscuro corpo de uma bailarina,

quando as algemas do silêncio poisam...

e eu, e eu longínquo como os pássaros em cartão,

dormi na rua,

vagueei pela cidade à procura de nada,

apenas caminhava...

e não acreditava,

 

E não acreditava na ausência,

e...

e no amor eterno,

amor de “merda”

só a cidade me alimentava...

e acolhia,

apaixonei-me por cacilheiros e marinheiros invisíveis,

fui trapezista junto à Torre de Belém...

e sentava-me no pavimento cansado dos fins de tarde,

imaginava-te num caderno de desenho Cavalinho,

escrevia nas páginas adormecidas do “Doutor Jivago”...

e hoje pertenço às “Almas Mortas” do Nikolai Gogol.

 

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Quinta-feira, 6 de Novembro de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 20:46

02
Fev 12

A vida aos poucos comeu-lhe a alegria e a vontade de viver, sobre ele poisou um lençol embebido em solidão e todas as luzes se extinguiram antes de acordar a noite,

- Nunca tive sorte ao amor Queixava-se em conversas informais entre meia dúzia de imperiais e tremoços, Queixava-se da falta de sorte com o dinheiro, Queixava-se de sempre ter vivido num estado de abandono, e quando nada mais havia do que se queixar, Queixava-se do governo e dos políticos,

E o leitor tem toda a legitimidade em questionar-me

- Será que a vida come alegrias e vontades?

E o leitor tem toda a legitimidade em questionar-me O que tem de trágico não ter sorte ao amor?, de trágico nada, a tragédia existe quando não se tem sorte ao amor, a tragédia existe quando não se tem sorte com o dinheiro, e meus amigos, a pior das tragédias é precisamente viver quase num estado de miséria encoberta por um lençol embebido em solidão e todas as luzes se extinguirem antes de acordar a noite, isso sim uma verdadeira tragédia,

- E com a crise em que vivemos Entre imperiais e tremoços Chineses ele dizia-nos que No Money No Amor, evapora-se e foge como o diabo da cruz, porque amar um miserável só em literatura, e mesmo assim, e mesmo assim… talvez uma das personagens de Dostoiévski conseguisse amar o dito miserável, mas não esquecemos que quem escreveu os miseráveis foi o grande Victor Hugo, mas não esquecemos que os tempos eram outros e que a Rússia nunca mais foi a mesma desde que as almas mortas de Nikolai Gogol morreram de fome e de miséria enquanto um Czar pançudo passava a tarde inteira a morfar esturjão grelhado e embebia-se na vodka e cantava e dançava…, e não pensem vossemecês que Victor Hugo era Russo, porque não era,

E o povo pá? Digamos E as almas pá? As almas morriam,

E entre idiotas e crime e castigo e entre as noites brancas e o jogador ou entre as recordações da casa dos mortos e o eterno marido… mendiga à janela o eterno marido abraçado a gente pobre,

- E na literatura existe sempre um miserável ou um atrofiado que sofre de amores, ou na pior das hipóteses, na literatura existe sempre um miserável e um atrofiado que sofre de amores, o chamado dois em um, homem de boas maneiras e educado, culto e inteligente, mas quis o destino que fosse miserável,

E embebia-se na vodka e cantava e dançava… e ainda hoje quando olha para uma garrafa de vodka poisada na prateleira de vidro semeada com grãos de pó um crucifixo contrai-se-lhe no estômago e um tambor de alumínio que sobejou de uma máquina de lavar roupa entra em centrifugação, e o Czar tomba como se fosse uma árvore embriagada depois de uma noite de vento,

- Será que a vida come alegrias e vontades?

Pois… não sei, mas verdade verdade é que os temas dos livros de  Dostoiévski ou de Nikolai Gogol são atuais e estão na moda e que esta merda não mudou de então para cá e nunca mudará, e não esquecendo o nosso Eça de Queirós “Os políticos e as fraldas devem ser mudados frequentemente e pela mesma razão e ele saberia certamente o que estava a dizer, só desconhecia que em princípios do século XXI as razões fossem o cheiro intenso a merda,

A vida aos poucos comeu-lhe a alegria e a vontade de viver, sobre ele poisou um lençol embebido em solidão e todas as luzes se extinguiram antes de acordar a noite, morreram de fome e de miséria enquanto um Czar pançudo passava a tarde inteira a morfar esturjão grelhado e embebia-se na vodka e cantava e dançava…

E ainda hoje, e ainda hoje enquanto morremos de fome eles cantam e dançam…, e tombam como se fossem árvores embriagadas depois de uma noite de vento.

 

(texto de ficção)

publicado por Francisco Luís Fontinha às 01:05

18
Set 11

Pergunto-me para que serve toda esta porcaria, pergunto-me porque li imenso e ao longo de trinta anos fui guardando os livros que lia e leio, e questiono-me, e pergunto-me porquê;

 

Não seria melhor à medida que ia lendo queimar os livros numa fogueira?

 

E porque guardo as porcarias que escrevo, sem nexo e que a maioria das pessoas não percebe e porque não faço como Nikolai Gogol que queimou a segunda parte do manuscrito de “Almas Mortas”…

 

Hoje percebo que não valho nada e que não me adiantou ter lido tanto, hoje percebo que os livros só servem para eu lhes limpar o pó, e enquanto lhes limpo o pó esqueço-me que nas ruas circulam animais mamíferos prontinhos a engolir-me,

 

E será que vão ter esse real prazer?

 

Porque ler livros não enche o estomago…

 

 

 

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:39

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

17
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO