Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

MENU

...

Francisco Luís Fontinha 23 Fev 19

Francisco Luís Fontinha, Poeta, Nasceu em Luanda, perdido na infância, ainda hoje não foi encontrado.

 

A pedra

 

 

Que me sento.

Folheio a tua boca no silêncio do capim,

As ruas dentadas no sonâmbulo entardecer, desce o beijo, poisa na minha mão e dorme lentamente na fogueira da noite,

Me canso.

Que me sento.

Na pedra emagrecida dos teus lábios, dizem-me em gritos de fumo que não amas…

Nunca saberás o que é o amor.

Amanhã.

As palavras rasuradas dos meus textos incompreendidos, falsas estrelas povoam a madrugada, olhas-me, e foges para as montanhas.

Sou tão feliz, meu amor, por saber que nunca me amarás,

O amor é como o mar, olha-se, toca-se, e desparece na Calçada da Cidade.

Que me sento.

Que beijo loucamente esta pedra, que me sento, e canso…

As bocas da noite.

Os holofotes da miséria correndo até ao rio, ao longe um petroleiro de poemas encalhado no teu cabelo, sinto os teus olhos e perco-me na tua sombra,

Que me sento,

Nesta pedra,

E me canso.

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 23/02/2019

Sobre o autor

foto do autor

Feedback