Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

03
Mai 19

A morte.

A tempestade dos cadáveres poéticos,

Quando do espelho, ao anoitecer, a mão do poeta sufoca o próprio poeta.

O comboio alimenta a morte,

O poema,

O texto.

O corpo do poeta evapora-se nos lábios de uma rosa,

Voa,

E chora ao anoitecer.

A morte.

A fragrância das palavras deitadas sobre a mesa,

Um candeeiro a petróleo vomita lágrimas de luz,

Escrevo,

Apago o que anteriormente escrevi,

Porque não faz sentido,

Porque a morte é parva, estúpida e ignorante…

A faca,

O pescoço alicerçado à lâmina,

O frio do aço que escorrega debaixo das mangueiras,

E nos braços, junto aos pulsos, a cratera do desespero,

Sem perceber o significado do sonho!

As nuvens suspensas na madrugada,

De hoje,

De ontem…

E de amanhã.

A morte,

A sagrada morte num corpo sofrido, silenciado pela sombra…

Nos teus braços.

Adormecer.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

03/05/2019

publicado por Francisco Luís Fontinha às 19:51

23
Jul 13

foto de: A&M ART and Photos

 

Não me fazes sentido

ouvir-te mergulhada em palavras não ditas

quando o divã das tardes perdidas navega na seara da insónia

ouvir-te ou não ouvir-te... voando como cigarras debaixo das nuvens cinzentas

não me fazes sentido

porque os livros morrem nas encostas dos teus olhos navegáveis,

 

Os barcos tuas mãos com velas em desejo

descendo cuidadosamente os trilhos da calçada Portuguesa... o cais

e as distintas amarras que o nylon transforma em pedaços de aço

em beijos

os barcos salgados das páginas amarrotadas tua pele...

folheio-as e preciso de ancorar no teus seios com janelas para o mar,

 

Não me fazes recordar as montanhas cobertas de neve

não vejo os navios das tuas pálpebras brincando nas areias brancas

que as tuas coxas escondiam como serpentes embalsamadas...

não

não o quero porque sou um peixe invisível com asas de perdão

e carapaça escorregadia à deriva sobre os teus cabelos de vento...

 

(não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:54

20
Jul 13

foto de: A&M ART and Photos

 

Projecto-me tridimensionalmente no muro onde poisas, todas as noites, os cotovelos, seguras a tua doce cabeça com as pequeníssimas mãos de menina apaixonada, olho-te como se fosses uma imagem prateada tingida com pedaços de azuis cerejas que numa tela simplesmente mergulhada na noite desgovernada, ela, absorve-te, alimenta-se de ti como as abelhas do feminino pólen com sabor a masculino desejo, e depois de saber que és uma imagem prateada tingida..., os pedaços de azuis cerejas borbulham-se-te com cobertores suspensos numa janela dançarina, bailarina eu?

Bailarino, tu!

E de ti como as abelhas, desisto das parvas palavras que finges ler, como fingias as noites dos cortinados de Lisboa, baixavam-se as tímidas persianas do amor também ele..., tímido?

Bailarino, bailarino sem profissão conhecida, artista sem arte, Tímido, eu? Que me dera ser como tu, uma triste alga dentro do rio sonolento das varandas com gradeamentos enferrujados, tristemente, eles, dentro de ti, às sílabas farto eu escrever, Tímida ela?

Perdia-se-lhe os mínimos sons da sua voz nas pétalas doiradas das rosas transeuntes das ruas prostituindo-se como reles bancos de jardim, onde todos se sentam, e eles... apenas estão lá, não pelo prazer, apenas estão lá porque os obrigam a estar, porque se não fosse dessa forma...

Tímidos?

Os corpos reluziam como gaivotas, e das ripas em madeira dos teus ombros, as alegres asas de porcelana, meu amor, Tímida? Quando sei que o teu corpo é incenso que arde num prato de cobre, música alimenta-se em ti, e os versos

Bailarino, tu!

E de ti como as abelhas, desisto das parvas palavras que finges ler, como fingias as noites dos cortinados de Lisboa, baixavam-se as tímidas persianas do amor também ele..., tímido?

Versos no cardápio ao preço de vinte e cinco euros a dose, aprece muito, isenção de IVA, e com a oferta de uma bebida branca...

Bailarino tímido, eu, ou tu?

Tenho uma vida cúbica, tenho sonhos quadrados e sofro em círculo, sou um perfil geométrico, alimento-me de senos e cossenos, fumos tangentes hiperbólicas, e faço o amor com as equações diferencias..., afinal, quem sou eu? Um pedinte matemático? Um bailarino/Bailarina, Tímida? Um hipercubo com braços de esperma descendo escadas de cinzentos soníferos com orifícios a imitar as janelas de luar?

Bailarino, tu?

És um triste, és uma integral tripla sobrevoando o momento fletor dos teus livres seios na viga do desejo... oiço-te gemer, a musicalidade da tua boca é uma pauta com sons débeis, difíceis de engolir, fáceis de mastigar..., textos, palavras, livros bolorentos entre vacas e carneiros no centeio do tio Joaquim, vivíamos como dois palhaços embriagados pelos sorrisos das marés envergonhadas dos longínquos mares que descobrimos nunca terem existido..., e o vento

E o vento vai desalicerçar a tua singela estrutura de bailarina rodando em redor do teu centro de massa cuspindo momentos angulares como fazem as nuvens antes de adormecerem nos teus braços...

Ainda acreditas, que, eu, Bailarino... Tímido?

 

(ficção não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:03

21
Jun 13

foto: A&M ART and Photos

 

Praia, mar, sol... poesia, corpo, poético entre os raios coloridos do nocturno desejo, o colorido poema fantasiado de arraial círculo que em noites de Verão rompem na aldeia como lâmpadas sobre o tecto silêncio da pele saboreada pelas sombras de mim,

Louco, ele, ela, as coisas compostas e as não compostas,

O colorido poema tridimensional submerso sobre a falsa areia, as conchas de plasticina alicerçam-se aos tentáculos da solidão, há uma mulher em fuga, esconde-se debaixo da palmeira do largo S. João, ouvem-se ainda réstias de migalhas que sobejam da boca dos pássaros esfomeados, transformados em lenços de papel, da algibeira, a mulher em fuga, guarda uma chave, e não sabe, e nunca conseguirá saber... que porta se abrirá...

De entra, poderá ser uma porta de saída, dizem-me que todas as portas servem para entrarmos, e sairmos, ou para alguns se suicidarem, conforme o meu vizinho do rés-do-chão direito, coisas tão simples, que nós, às vezes, os vizinhos, complicamos, com a amizade, me despeço de ti até sempre, e nunca

Nunca mais apareceu junto aos arbustos onde existia um granítico banco com escotilha para o Tejo, livrai-nos senhor destes abutres esganiçados pela carne apodrecida, esperando as árvores tombarem, ainda vivas, correndo pelos corredores da insónia,

Tenho a fome do prazer entre palavras e cristais líquidos, transparentes como a pele escaldante da musa inspiradora, sobre o sofá, de livro na mão e ouvido encostado à parede de gesso, do outro lado, dois corpos transpiram, desejam-se, e ouvem-se os gemidos do cansaço, um, dentro do outro, como o cimento cola a suspender azulejos brancos numa parede enferrujada de um velho cacilheiro, havíamos de descobrir o silêncio enquanto fazíamos amor

Foram as suas últimas palavras antes de descobrir que a caixa em madeira onde dormia, não era um quarto a sério como o da prima Augusta, mas sim, e só, a caixa de fósforos do tio Augusto, coincidência, hoje percebemos que nas equações diferenciais existem beijos disfarçados de loucos corpos, tórridos, de loucas, sebentas com capa de cabedal, e o amor, fazíamos-lo junto às prateleiras que hoje, quase todas, vazias, mortas, e nunca mais senti durante a noite aqueles passos trôpegos sobre o meu tecto, e nunca mais ouvi o telintar dos talheres esquecidos dentro de pratos em falsa porcelana, faiança milagrosa que serviu para sobrevivermos durante alguns meses, e nunca mais, senti, o clique... do interruptor da sala de jantar,

E assim, deixamos de ouvir o raiar da noite,

E quando se enfureciam, elas, entravam-nos pela janela como se fazia nas ruas antes de acordar o Verão, puxávamos os lençóis da neblina e começávamos a sonhar com poesia dissimulada em corpos tórridos...

Sem nuvens,

E assim, deixamos de ouvir o raiar da noite, sem nuvens, como dizíamos, azulejos brancos numa parede enferrujada de um velho cacilheiro, havíamos de descobrir o silêncio enquanto fazíamos amor...

 

(ficção não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:55

18
Jan 13

Nunca percebi o que eles queriam, mas nunca mais a nossa vida pacata foi a mesma, nunca mais tivemos noites com estrelas, e nunca mais vimos a lua

Com olhos de papel e boca de jasmim quando os últimos pedaços de tarde sobem a calçada e da Calçada galgam os muros vestidos de amarelo, pareciam moscardos complexos nas mãos de homens apaixonados, eles e eles, e elas e elas com eles,

E nunca mais vimos a lua transparente nas paredes indomáveis dos desejos escondidos

O que quero ser quando for grande?

Gostava de ser uma abelha sem colmeia, ou, ou uma roda dentada sem veios de aço ou correias transmissíveis, livre, voando como as nuvens quando o vento as leva para lá da janela do sótão e das traseiras do velhíssimo edifício de arame as escadas que levitam como os corpos das almas depois de despregadas dos telhados de vidro, às vezes, gostava

Dos desejos escondidos nas flores de areia que tu guardavas nas algibeiras de tecido aos quadradinhos como as grades das prisões, ou como as calças de um pescador quando saboreia docemente o seu cachimbo de algodão, e outras vezes

Gostava

Que as árvores carrancudas, sisudas, e de poucas falas, brincassem comigo, conversassem comigo, e no entanto, abraço-me a elas, e elas

E outras vezes, gostava, que o jantar fosse uma pintura numa tela com muitos beijos de acrílico e bocas de pastel e lábios de chocolate pincelados ao de leve com o bâton vendido pelo cigano da rua do Alecrim Doirado, gostava, e elas acreditavam que do céu vinham as notas de vinte euros que eu lhes dava,

Gostava

Não sei, gostava,

Que as visíveis asas de prata que as moscas utilizam nas festividades que simbolizam a Primavera fossem como os carroceis que invadem as vilas e as aldeias preenchendo os sonhos das crianças, e que os carroceis com olhos de papel e boca de jasmim quando os últimos pedaços de tarde sobem a calçada e da Calçada galgam os muros vestidos de amarelo, fossem moscardos complexos nas mãos de homens apaixonados, eles e eles, e elas e elas com eles, e à sobremesa via láctea uma sanduíche de néon com pedacinhos de solidão à lareira dos sonhos, abria o livro das palavras guardadas em segredo, folheava as páginas de prazer como se fossem um corpo em desassossego semeado numa seara planetária longínqua da saliva em gotículas encarnadas, viam-se dificilmente os barcos em regresso da planície dos fantasmas de alcatrão

Gostava

Dos desejos escondidos nas flores de areia que tu guardavas nas algibeiras de tecido aos quadradinhos como as grades das prisões, ou como as calças de um pescador quando saboreia docemente o seu cachimbo de algodão, e outras vezes

Gostava,

Gostava e outras vezes não percebia o que eles queriam, mas nunca mais a nossa vida pacata foi a mesma, nunca mais tivemos noites com estrelas, e nunca mais vimos a lua dançando e dançando com os lençóis de sémen no leito do amor, gostava que fosses um livro recheado de poemas, gostava que das tuas leves brancas mãos nascessem palavras sem morte e com a alegria desejada, gostava

O que quero ser quando for grande?

Nada,

Que a loucura prateada descesse de cima das árvores e brincassem as jardineiras azuis que suspensas no arame da tristeza deixam o quintal encharcado de lágrimas, nada, nunca quis ser nada, nunca gostei do mar, nunca gostei de sonhar, e às vezes, outras vezes

Gostava

Que as árvores carrancudas, sisudas, e de poucas falas, brincassem comigo, conversassem comigo, e no entanto, abraço-me a elas, e elas, gostava, gostava que as imagens a preto e branco da minha infância se entranhassem nas frestas que o gesso transporta desde que regressamos do outro lado da via láctea, ainda eras tu uma criança docemente inscrita numa ardósia de linho bordado com fios de oiro, e gostava

E outras vezes, gostava, que o jantar fosse uma pintura numa tela com muitos beijos de acrílico e bocas de pastel e lábios de chocolate pincelados ao de leve com o bâton vendido pelo cigano da rua do Alecrim Doirado, gostava, e elas acreditavam que do céu vinham as notas de vinte euros que eu lhes dava,

Gostava

Não sei, gostava.

 

(texto de ficção não revisto)

@Francisco Luís Fontinha

Alijó

publicado por Francisco Luís Fontinha às 20:42

01
Out 12

Oiço-te as palavras amargas

saltitando dentro de um cubo gelatinoso

ao vidro vêm as sílabas dos suspiros da manhã

às páginas em pétalas adormecidas

é no cansaço da vida que acorda a maré de Outubro

e os pilares de aço que sustentam as arcadas imaginárias dos barcos

dormem

tombam nos jardins cobertos de nuvens

 

peço às gaivotas que me deixem caminhar sobre o manto vertical de espuma

em cristais de iodo e sorrisos de silício

 

papeis dispersos nas ruas desenhadas nos lábios da cidade

em compasso

dormem

tombam nos jardins cobertos de nuvens

 

as tuas mãos de Primavera.

 

(poema não revisto)

publicado por Francisco Luís Fontinha às 23:21

23
Jul 12

O esqueleto da nuvem de prata

e lágrimas de papel

nos olhos

uns Ray Ban

que lhe davam um certo ar de ajeitado

fazendo-o parecer um esqueleto verdadeiro

de finíssimas famílias

e no entanto

não passava de uma nuvem de prata

com poeira de ossos

e lentes BL...

vivia num mundo inventado

 

e amava loucamente uma pedra

onde se sentava a olhar o rio

onde passeavam os barcos

e poisavam as gaivotas

 

e amava loucamente uma árvore

uma árvore de verdade

com coração de verdade

e amor de verdade

 

e lágrimas de papel.

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:39

04
Abr 12

Hoje aprendi o que significa pompoar e em que consiste o pompoarismo, na ponta dos dedinhos finíssimas gotas de orvalho despedem-se da maré, lá fora, dentro de ti um silêncio no corredor da morte, vejo no teu peito a ingrime manhã ensanguentada de desejo,

- “Contrair e relaxar os músculos ao redor da vagina Explica a doutora…”,

O desejo enlouquece a Marilú que sentada numa cadeira segue religiosamente os cinco passos, exercícios simples que qualquer mão percebe quando toda a noite vive no infinito mausoléu da miséria, um corpo embalsamado sorri quando passo descalço em direção ao rio,

- “Contrair e relaxar os músculos ao redor…”, ao redor da madrugada quando procuras debaixo da cama os ossos que sobejaram da minha partida, hoje aprendi que a lua masturba-se em frente ao espelho do sol, hoje, hoje uns dizem que os subsídios de férias e de natal são histórias do passado, outros, outros que não, e enquanto a lua finge orgasmos de cristal, o povo fodido, o povo fodido…

As ratazanas que durante a noite deambulavam pelas casernas infestadas de fumo de haxixe, ao pequeno-almoço um copo de lata recheado de vodka e erva dos jardins de Belém, e o corpo em fio-de-prumo na formatura das oito horas tombava como as árvores no outono quando se despedem dos filhos,

- “Com o Ben-wa (bolinhas) ”,

Que coisa mais estranha minha filha Pijama com Bolinhas encarnadas, nuvens de porcelana e mendigos a exercitarem o pompoarismo, E o que diria o teu pai de tudo isto? Que sou feliz mãe, muito feliz…

Desisto Não nasci para pompoar nem para o pompoarismo,

STOP.

 

(texto não revisto)

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:46

02
Abr 12

A purpurina manhã desce sobre a cidade melancólica, erguem-se as árvores e os pássaros e sentados na esplanada das horas, uma miúda gira, e sentados na esplanada das horas rompem entre candeeiros e luzes domesticadas as sandálias da infância, assobiam os calções à penumbra sombra que há em ti,

- Uma miúda gira solta a cabeça e desenha um beijo nas nuvens, E deixou-me adormecido até hoje, distante até hoje, olhas as mesas e as cadeiras sobre o pavimento alcatifado quando os dias se evaporam nas entranhas das tuas mãos, e depois, e depois sou apenas uma pomba desvairada à procura da primavera,

Já fui barco, já fui um edifício em ruinas, e a miúda gira, e já fui sombra com asas na ardósia da tarde, e a miúda gira semeia sorrisos no espelho da alma, e já dancei sobre uma mesa estacionada num bar sem nome sem gente sem palavras, e quando acordei estava nos braços da insónia, flutuava nos ais e uis da ponte que liga as duas margens, acordava com vómitos e vinha até mim o cheiro do mar,

- E depois vi esvaecer-se a porta, a janela, a parede, e depois à procura da primavera a pomba desvairada, visto-me de finíssimos fios de vidro e oiço da tua boca que me amas enquanto sobes as escadas até à montanha, sou feliz assim dizias-me tu quando poisavas a cabeça sobre o meu peito, e sempre soube que não eras feliz, sempre soube que te escondias das mangueiras e dos papagaios de papel, esqueci as sandálias da infância, e hoje vivo dentro da chuva,

(sou feliz assim dizia-me ele)

E não era.

 

(texto de ficção não revisto)

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:34

21
Dez 11

As nuvens adoram-me

Desejam-me

As nuvens que poisam na minha cabeça

E me cobrem

E me escondem debaixo dos candeeiros da manhã

Desejam-me

E cobrem-me

As nuvens pintadas de negro

Junto a um rio descolorido

Sem estrelas

Sem dezembro para sonhar

As nuvens que poisam na minha cabeça

 

E me escutam

E me olham

E desejam

 

Sem dezembro para sonhar

Tenho as nuvens negras

Junto a um rio descolorido

Vadio

Sonâmbulo amarrotado nos canaviais

Me cobrem e olham e desejam e se fundem nas minhas mãos

 

As nuvens que poisam na minha cabeça.

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:34

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

17
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO