Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

15
Ago 12

deixei de sentir o peso do meu corpo

e o vento levou-me o coração de silício

que eu transportava nas palavras

e escondia dentro do meu peito

 

escondo-me na tua voz invisível

e inaudível

que também ela se esconde nas tardes junto ao Tejo

 

deixei de sentir os abraços do inverno

e o beijos da primavera

deixei de sentir o peso do meu corpo

sobre a água salgada onde se suicidam os barcos do verão

com a voz cansada dos pedaços de cigarros em decomposição

na sepultura do amor

 

escrevo-te

 

despeço-me dos teus lábios antes de cair a noite

dentro dos lençóis da loucura

despeço-me com justa causa

ausência

infinitamente entre paredes e veredas de xisto

escrevo-te

 

e despeço-me

 

e será que me ouves quando abres a janela da torre do teu castelo de algodão?

Deixei de sentir as nuvens

e os finíssimos gemidos dos grãos de areia das brincadeiras no Mussulo

e deixei de ouvir as lanternas mágicas na rua com escadas para o sótão dos enganos

hoje timidamente ausente de ti e de mim e do próprio vento

e despeço-me

escrevo-te

da ausência do peso...

 

sou um pássaro de papel

que voa em direcção ao buraco da solidão

 

escondo-me

escrevo-te

da ausência do peso das palavras

que escreves nas paredes do meu esconderijo

a noite

e à noite deixei de ouvir-te

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:52

Dezembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO