Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

08
Abr 11

O cadáver de um poema

Exposto sobre a mesa

Nas paredes crucifixos arrogantes

Crucifixos com fome

 

Das palavras em decomposição

Apodrecidas sobre uma folha de papel

O cadáver

Aos poucos em pó

 

E do poema apenas a luz do dia

Repartida pelas clareiras da noite

O cadáver de um poema

Que se esconde nas frestas da solidão

 

Exposto sobre a mesa

Misturado com os óculos embaciados

O poema chora

E das lágrimas soltam-se palavras no fim da tarde

 

O poema sofre

O poema morre

O cadáver de um poema

Poisa na minha mão

 

E nas minhas costas

As palavras agarram-se-me nos ossos

Comem-nos ao pequeno-almoço

Fico cadáver como o poema…

 

 

FLRF

8 de Abril de 2011

Alijó

publicado por Francisco Luís Fontinha às 11:01

Fevereiro 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
15

17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

O cadáver de um poema

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO