Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

19
Abr 19

É noite,

E hoje não estou ao teu lado.

É noite,

Começa em mim a procissão do adeus,

Nas lâminas incandescentes dos teus lábios,

Não, não estou apaixonado,

Nem pela madrugada,

Nem pela tempestade…

Apenas te oiço nos lençóis do mar.

É noite,

Abro a janela e apenas um fio de luz no teu olhar,

O silêncio espetado no teu corpo,

Como a espada que tenho na mão,

Para assassinar a noite.

Vou matá-la.

É noite,

É noite e os livros já dormem,

Como crianças,

Na cama da saudade.

As ruas sem ninguém,

Nem transeuntes,

Nem automóveis,

Nem submarinos,

Apenas petroleiros fundeados junto à porta de entrada;

Fugimos, hoje?

Para as grutas da montanha envenenada pela solidão,

Os amantes, as amantes, lambem-se entre quatro paredes envelhecidas,

Mortas,

Perdidas.

É noite,

É noite e não consigo pegar na tua mão…

Talvez amanhã o consiga…

Amanhã.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

19/04/2019

publicado por Francisco Luís Fontinha às 19:20

04
Abr 19

Os teus olhos são o mais belo livro de poesia,

Uma canção,

Uma melodia.

Os teus olhos são a escuridão,

Nocturna das almas perdidas,

As palavras prometidas.

Os teus olhos são a mais bela pintura, do teu corpo,

Nua…

Na despedida.

Os teus olhos são a geada,

A cidade endiabrada,

Quando me olhas debaixo do luar,

E, ao longe, sei que habita o mar,

E o jardim das flores apaixonadas.

Os teus olhos, meu amor, são as tardes de brincadeira,

O baloiço de uma criança,

Quando desce a ribeira,

E o meu olhar te alcança.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

04/04/2019

publicado por Francisco Luís Fontinha às 19:47

05
Mai 18

Sentia-me obtuso com a tua simplicidade dos jardins adormecidos; uma flor poisa ruidosamente no teu rosto. O acordar!

Sentia-me confuso com o silêncio dos teus lábios, flácidos, cansados das minhas pobres mãos,

O sono.

Sentia-me perdido na seara da solidão,

Quando os pássaros escreviam palavras na eira, era Verão, e a candeia perdia-se sobre a mesa do esquecimento,

Me levanto,

E pego no Sol.

Me levanto,

E pego no silêncio que traz o Sol,

Sentia-me uma pomba quando o teu corpo desleixado aterrava no meu olhar,

Uma réstia de alegria,

Uma sinfonia para brincar…

E ouvia desenfreadamente os sons da alvorada.

Como eu queria ser criança…

 

 

 

Alijó, 5 de Maio de 2018

Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:08

01
Jul 17

Sentas-te no meu colo como dois pilares de areia envenenados pelo silêncio,

 

Oiço a tua respiração romper a manhã,

Ainda o sol não acordou,

Pego na tua mão,

Desfeita de aventuras,

E ternuras,

Que o tempo levou…

 

E perdeu no chão,

A chave do teu coração,

 

Sentas-te na minha sombra, menina do teu olhar,

 

Desfeito em lágrimas o amanhecer ausente,

Duas portas sem saída,

Nesta cidade perdida…

Perdida que não sente,

 

Porque te sentas,

Em mim,

 

Todos os dias loucos sem madrugada,

 

Oiço a tua voz pergaminho,

Perdida na brancura da razão,

Estou só, e sou um ninho…

Um ninho na solidão,

 

Sentas-te em mim,

 

Um homem construído de mar.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 1 de Julho de 2017

publicado por Francisco Luís Fontinha às 19:26

15
Nov 15

a tempestade de silêncios que adormece no meu peito

enquanto tu, meu amor, gritas o meu nome entre os rochedos do inferno

a sombra dos teus lábios

o cansaço das tuas mãos

me adormecem

e me fazem fugir para a montanha imaginária

a fuga

a tempestade de silêncios que há em ti

e só agora percebi

a luminosidade do teu olhar

quando não cresce a noite

na minha solidão

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

domingo, 15 de Novembro de 2015

publicado por Francisco Luís Fontinha às 20:39

10
Out 15

Os vampiros da noite

Ente os aplausos e o derradeiro Adeus,

Do silêncio teu corpo

A alvorada impressa na sombra do teu olhar,

Do silêncio teus lábios

A madrugada a mendigar…

Nos vampiros,

Da noite,

A gaivota apaixonada voando sobre os desenhos do amor,

As palavras embriagadas

Dormindo nas esplanadas sem dono

Perdidas na cidade,

 

E eu aqui,

Sentado,

À tua espera…

 

Os vampiros da noite

Descendo as escadas da paixão,

Descendo até à profundidade da solidão,

Trazes-me um livro,

Pegas na minha mão,

Não falas,

Não sorris porque a escuridão engole-te…

E mais uma vez desapareces,

Transformas-te em poeira…

Cinza,

Sanzala inabitada,

Sem meninos… sem nada.

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sábado, 10 de Outubro de 2015

publicado por Francisco Luís Fontinha às 19:37

21
Set 15

desenho_21_09_2015.jpg

(Fontinha – Setembro/2015)

 

Lembrei-me de ti, hoje, e das fotografias tiradas quando se escondia a noite nos coqueiros junto ao mar,

Lembrei-me da solidão

E dos passeios agarrado à tua mão,

Lembrei-me de ti, hoje, e das palavras que escrevias no meu olhar,

Como se eu fosse uma fina folha em papel,

Sofrida,

Cansada de ser riscada,

Velha e tonta… amada,

Lembrei-me de ti, hoje, e das tardes a desenhar os barcos em cartão,

Sós no imenso Porto de embarque e desembarque… sem destino algum,

Ensinaste-me o que eram as montanhas vestidas de branco,

Ensinaste-me o sabor da geada…

E hoje, e hoje lembrei-me de ti e das tuas lágrimas choradas,

Quando acordava a madrugada…

E eu, e eu sem sono… sem sono… gritava.

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Segunda-feira, 21 de Setembro de 2015

 

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:24

04
Mar 15

Esboço os teus olhos na carlinga nocturna do prazer

finjo caminhar sobre as pedras íngremes do silêncio

em vulcão

as palavras desalmadas do caderno negro

as imagens da melancolia

no espelho secreto dos teus seios

fujo

e sem regresso...

imagino os rochedos da insónia

mergulhando na constelação do adeus

o plágio mágico de uma fotografia

e a simplicidade dos sentidos embainhados nas florestas em solidão

canso-me

e fujo

dos lábios em desejo

como as formigas procurando alimento

nas esplanadas da dor

esboço os teus olhos

o esquisso em desassossego dentro da caixa de madeira

janelas

portas

o segredo

quando os dardos envenenados atingem mortalmente o peito do artista

o circo ofegante

em murmúrios e pequenos gestos pincelados de sangue

os aplausos falsos

e os falsos sorrisos

na aldeia

entre ventos e tempestades de areia

sinto em mim o mar

e todas as marés do amor

o poeta adormece junto ao rio

escreve na espuma tingida de saudade

e canso-me

das palavras

e dos olhares em beijos de luar...

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Quarta-feira, 4 de Março de 2015

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:33

16
Jan 15

Há nas cinzas do teu olhar

imagens a preto e branco,

palavras de amar,

poesia,

sílabas com odor a cansaço,

há nas cinzas do teu olhar

flores,

pedras,

cubos em madeira...

e gaivotas de brincar,

há nas cinzas do teu olhar

a poeira do meu corpo travestido de luar...

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sexta-feira, 16 de Janeiro de 2015

publicado por Francisco Luís Fontinha às 20:30

05
Jan 15

A luminosidade tangente ao teu olhar

entre círculos

quadrados

e buracos

há no teu corpo equações sem solução

resmas de papel quadriculado

em chamas

e feridas no coração...

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Segunda-feira, 5 de Janeiro de 2015

publicado por Francisco Luís Fontinha às 19:24

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

17
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO