Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

MENU

O amor…

Francisco Luís Fontinha 2 Jul 17

O amor…

Ai o amor acorrentado ao sorriso da manhã!

 

Palavras vãs,

Tristes sombras dos alegres divãs,

Onde me deito e esqueço a tua ausência,

Ai o amor da infinita infância,

Silêncio madrugada,

Flor abandonada,

Ai o amor…!

Ai nada.

 

Alfama,

Belém enamorada,

O Tejo na minha mão desmesurada…

Ai o amor…!

 

O amor de nada.

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 2 de Julho de 2017

O feitiço da Madame sem nome

Francisco Luís Fontinha 10 Jun 17

No desastre dos meus braços naufraga uma barcaça imperfeita,

Um número esquisito suspenso na ardósia da tarde,

O mar está calmo, meu amor,

Tão calmo que podia suicidar-me nele sem ser percebido pelos seus lábios,

Dormir até à próxima maré de solidão que se enrola no meu corpo,

Um ninho de pássaros nunca visto por mim

Vive no meu jardim,

Cantam, brincam… e cagam todo o pavimento…

Mas gosto deles como gosto do teu sorriso na mácula presença de “Deus”,

Um abraço, o desenlace florido dos canteiros, sabes, meu amor, amanhã não haverá flores nos teus cabelos,

E a Madame sem nome entre gritos histéricos ao pôr-do-sol…

 

Salva-me, salva-me meu amor deste cansaço provisório que escreve nas minhas mãos os “poemas perdidos”, os poemas que ninguém lê e não gosta.

No desastre dos meus braços naufraga uma barcaça imperfeita,

E não saberei se estarás cá quando eu partir,

Detesto despedidas, meu amor, junto ao Tejo…

 

O cheiro dos barcos.

 

O perfume das gaivotas em revolta,

Que dormem junto à minha janela,

Quando nos espelhos do corredor acordam os esqueletos do sofrimento,

As estrelas são o teu olhar camuflado na escuridão da feira da vaidade,

Remeto-me ao silêncio, sabes meus amor, os jardins debruçam-se nas tuas coxas de xisto, e do rio regressa a ti a hipnotizante palavra do “Adeus” …

 

O cheiro dos barcos.

 

Junto ao tejo, meu amor… junto ao tejo…

 

O feitiço da Madame sem nome.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 10 de Junho de 2017

O menino de Luanda

Francisco Luís Fontinha 9 Jan 16

O silêncio olhar

Submerso na tempestade do fugitivo,

A vida sem sentido,

A vida… a vida encurralada numa ruela escura,

Triste,

Triste como as serpentes da paixão,

A luz da solidão

Nas engrenagens do desejo,

Depois… depois o beijo,

A caricia entranhada no cansaço corpo,

Nu,

Ao vento

Como uma bandeira sem Pátria,

Os gonzos da infância

Quando acorda o dia e os teus lábios pertencem às nuvens prateadas,

Tão simples

O silêncio olhar

Na boca do narciso…

O desassossego da alma

Na morte de ninguém,

Vegetativo o estonteante rio dos amores,

As floreiras sós,

Sem ninguém,

A vida sem sentido…

Triste,

Não,

Não sei amar um morto-vivo,

Não,

Não sei escrever na montanha do passado,

Tínhamos gaivotas,

Frango assado,

E felizes que éramos,

Com duas côdeas de pão

E um olhar de madrugada,

Amor,

Amor,

Desgraçada… a vida, a calçada,

Corro,

Desço,

Embriago-me nos teus seios,

E permaneço

Um esqueleto de vento,

Uma ténue limalha de sémen…

Não,

Não sei amar…

Amar é complicado,

Difícil,

Acordar,

De manhã

E tu não estás nos meus lençóis de pergaminho,

Fujo,

Escondo-me…

Viva o vinho,

A vinha,

E todas as amendoeiras em flor…

Corre, corre seu safado cliente dos nocturnos abismos,

Nunca tive sorte,

Nunca amei uma pomba,

Um papagaio em papel,

Uma praia,

Uma mangueira,

Uma criança procurando brincadeira,

Eu,

O menino de Luanda.

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sábado, 9 de Janeiro de 2016

Indigente

Francisco Luís Fontinha 5 Jan 16

Sou um indigente conformado

Filho da noite quando a noite é noite

E do vento

Quando o vento é vento

Sou a palavra

Sou a jangada

Sou o esqueleto sem medo

Que habita numa calçada

Invisível

Apelidada de saudade

Sou um indigente saudável

Diplomado em perfumaria

Canso-me com a alegria

E choro com a melancolia

Sou triste

Aparente

Indigente

Agreste

Comestível às primeiras horas da manhã

Sou um indigente conformado

Sou gente

Que sente

O luar aprisionado

Num qualquer olhar

Numa qualquer cidade apilhada de fantasmas…

Sou um indigente

E sou homem do mar

Quando o mar era mar

E me trouxe

E eu vim

Vim aqui parar…

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

terça-feira, 5 de Janeiro de 2016

A espada da paixão

Francisco Luís Fontinha 23 Out 15

Tínhamos no peito a espada da paixão,

Este corpo dilacerado nas cosmopolitas manhãs de incerteza,

O medo de acreditar no amor, quando o amor morreu nos teus braços,

O significado da palavra envenenada,

O silêncio em viagem,

Sem destino,

Correndo para ao mar,

Peço um desejo…

Amar-te sem preconceito,

Não o consigo, só, eu, absorvido na neblina da manhã,

Escrevendo no capim as palavras proibidas,

Que só o teu corpo sabe distinguir do sonho,

Tínhamos no peito…

Os gemidos dos Oceanos entre orgasmos e desenhos,

As palavras de ninguém,

O homem de vidro sobrevoando as mangueiras de um quintal imaginário,

E hoje, e amanhã…

Somos engolidos pelo desejado beijo.

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sexta-feira, 23 de Outubro de 2015

sombra envenenada

Francisco Luís Fontinha 25 Fev 15

Desenho_A1_051.jpg

(desenho de Francisco Luís Fontinha)

 

 

o imaginado silêncio

pela orquídea do desejo

palavra por palavra

o sangue que foge da veia amaldiçoada

como a charrua

entranhada

na terra...

abraça-se ao poema

fingindo que amanhã não há madrugada

nem amanhecer

esta cidade inventada

em páginas de cartão

 

o imaginado silêncio

na mão

de uma sombra envenenada

ele espera pelo regresso da amada

mas o amor é uma carta

sem palavra

sem nada

que só a morte sabe reconhecer

quando o mar entra dentro de casa

e gritam

os barcos encalhados

nos semáforos da saudade...

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Quarta-feira, 25 de Fevereiro de 2015

 

Infâmia

Francisco Luís Fontinha 23 Jan 15

A maré que chora

e

grita

o esperma emancipado da poesia adormecida

a lágrima

o sorriso de uma ferida

a maré que inventa meninos ao amanhecer

o mar endurecido

o mar... o mar a morrer

a sílaba

e

grita

a palavra

na vagina do silêncio...

a maré

cinzenta

a ratazana dos armários de vidro

a infâmia quando acorda o mendigo.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Quinta-feira, 22 de Janeiro de 2015

Circo ambulante

Francisco Luís Fontinha 14 Jan 15

Pintura_60_A1_Nova.jpg

(desenho de Francisco Luís Fontinha)

 

 

Inventas-me no silêncio pergaminho,

permaneço desorganizado nos teus lábios,

sou um palhaço,

um circo ambulante

comendo amêndoas

e figuras geométricas,

as equações dos teus seios

adensam-se nas ardósias do meu corpo,

não sei se te amo,

não sei se me amas...

permaneço inconstante,

volátil...

surpreso ambulante,

figurante,

poeta insignificante,

espelho de nata...

o Tejo na minha mão,

o teu corpo despido solicitando o regresso da noite,

o porteiro gritando.... “Foda-se o amor”,

a paixão

o desenho

e a poesia da solidão,

dos socalcos em orgasmos vínicos...

e a fotografia dos meus pais

descendo ao poço da morte

abraçando-me loucamente só, como uma equação anónima,

como um prego em aço.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Quarta-feira, 14 de Janeiro de 2015

 

Sem sentido - “A merda de um poema”

Francisco Luís Fontinha 23 Nov 14

Queima o filme negro da tua vida,

ensina aos teus ossos as boas práticas de comer,

sem nunca mencionares o nome da despedida,

nem na rua invisível do teu corpo,

imagina o vento fatiado abraçando-se aos teus seios,

escrevendo neles...

Amo-te...

sem gaguejares,

sem medo de chorar,

os abutres cardumes da insónia

que se alicerçam aos teus cabelos de luar,

queima o filme negro da tua vida... como quem pronuncia pela última vez a palavra amar!

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 22 de Novembro de 2014

se o teu corpo falasse

Francisco Luís Fontinha 19 Abr 14

se o teu corpo fosse apenas uma palavra

uma flor solitária no jardim dos jasmins

uma estátua sem nome

sexo

ou idade...

se o teu corpo fosse a noite enfeitada com lantejoulas e alecrim

desconexo melódico das músicas sem anoitecer

conforme os sonhos da insónia

se o teu corpo fosse uma guitarra

uma bateria prisioneira num quinto andar com janelas para o Tejo...

um cacilheiro em combustão

procurando poemas

 

inventando livros nas mãos do silêncio

se o teu corpo fosse uma sinfonia de fotografias a preto-e-branco

nua

sexo

ou idade...

se o teu corpo habitasse na ponte do incenso

mergulhada na tristeza de um olhar pintado de verde

nua

sexo

ou... idade

se o teu corpo fosse um livro de ler

a lareira do Inverno recordando a saudade...

 

se o teu corpo existisse

tivesse vida como a vida das minhas personagens

se ele me dissesse que me amava

se o teu corpo fosse a jangada

a livraria enfeitada com o pó envenenado das sanzalas perdidas no Oceano...

nua

sexo

ou... idade

se o teu corpo falasse

gritasse

- eu estou apaixonada...

e eu acorrentava-me ao teu corpo com o nome de “palavra”...

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sábado, 19 de Abril de 2014

Sobre o autor

foto do autor

Mais comentados

Feedback