Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

18
Set 14

O palhaço da roulote emagrecida,

na porta de entrada está crucificado o número vinte e três,

sem vizinhos para conversar,

o palhaço morre em pedacinhos...

e era feliz se morresse de vez,

silenciavam-se as vozes dos espectadores anónimos,

um punhado de palmas ficavam alegres,

e contentes,

e o circo transformava-se num círculo com anéis de prata falsificada,

há nos seus olhos a desilusão de um tardio amanhecer...

depois do espectáculo, entra na roulote, e acende a lareira da solidão,

e espera, e desespera... o regresso do novo dia,

o palhaço com botas de cansaço,

sonha subir até às estrelas que estão suspensas no tecto da dor,

um poeta também vestido de palhaço... inventa jardins de arame,

e locomotivas em cartão,

sofre,

sofre ele porque dentro da roulote nada mais existe do que a lareira da solidão,

chora,

e ele percebe que a vida é um espectáculo sem abrigo,

um homem desiludido com o circo das tempestades.

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Quinta-feira, 18 de Setembro de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:00

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

17
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

O circo das tempestades

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO