Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

30
Abr 11

Cresce-me no peito um peso imensurável

Trazido pelo fim de tarde

Cresce-me no peito o cansaço da solidão

Num campo de malmequeres

 

Corre um rio na minha mão

Que desagua no meu peito

Apertado pela dor

Espremido pela chuva

 

E corre apressadamente no relógio de parede

O peso do meu peito

O sufoco do dia que nunca mais termina

Sem fim…

 

Sem cor os meus dias pintados numa parede

E a parede esconde-se da luz

Fica negra

E geme no silêncio da noite escura.

 

 

Luís Fontinha

30 de Abril de 2011

Alijó

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:57

Dezembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9

16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO