Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

09
Fev 20

A rua deserta, imune ao silêncio das pedras,

O cansaço das árvores, quando desce sobre a terra a soldão nocturna das acácias em flor,

Um automóvel vomita lágrimas de fumo,

Uma criança brinca na sombra dentada da tarde,

E, mesmo assim, as flores dormem nos abstractos muros da insónia.

É tarde,

O relógio emagreceu com o tempo,

A tempestade de areia, silenciada pelas pedras em silêncio,

Que a madrugada faz florescer,

Acordam as trombetas,

As árvores, tombam à sua passagem,

Como soldados rebeldes,

Como espingardas revoltadas,

Com os homens,

Como os homens.

A noite alicerça-se aos candeeiros do medo,

Como as pedras do silêncio na manifestação junto ao rio,

A revolta contra a noite,

As nuvens emagrecidas, tontas, derramas as suas lágrimas nos arrozais,

Sem em delírio, sempre em manifestação, os homens, as mulheres,

Contra o silêncio das crianças,

Que brincam,

Que brincam na eira do milho amarelado pelo cacimbo,

O cão lateia, chama pelo dono,

Ao fundo,

A aldeia em chamas, lágrimas de prata,

Quando toda a cidade envenenada pela amargura,

Sente, sofre, a desgraça da ditadura…

Como é lindo ser pedra em silêncio,

Lápide ao cair da noite,

Palavras mortas,

Palavras tontas,

Que o menino escreveu, nas paredes da fragrância, deixando ao acaso, um caderno assassinado pelas quadrículas lamentações.

O tempo se esquece,

O almoço na mesa,

A fome de palavras, dos livros enamorados pela madrugada.

Sinto. Sinto-te neste labirinto de insónias.

Ao deitar, todas as drageias.

Que as areias alimentam.

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

09/02/2020

publicado por Francisco Luís Fontinha às 20:45

30
Jul 16

As pedras

Onde nos sentamos e descansamos

Onde alicerçamos as mãos

E escrevamos

As palavras de sofrer…

 

As pedras

Do xisto madrugar

Que o príncipe depois de se deitar

Sonha com as pedras de amar,

 

As pedras

De ler…

 

As pedras de morrer

Sufocadas pelos beijos

As pedras

Meu amor

Dançando desejos

Nas janelas de acordar,

 

As pedras

De fumar

Nas searas cansadas pelos vento…

Não sentindo o mar

Nas pedras do pensamento,

 

(As pedras

Onde nos sentamos e descansamos

Onde alicerçamos as mãos

E escrevamos

As palavras de sofrer…)

 

Das pedras do saber…

 

Francisco Luís Fontinha

sábado, 30 de Julho de 2016

publicado por Francisco Luís Fontinha às 19:24

16
Abr 14

porque choram as pedras entranhadas na pele da tua mão?

pergunto-me e não percebo porque há círculos com olhos verdes,

quadrados com sorriso de gaivota sem nome,

pergunto-me...

porque existe no teu pulso a corrente em aço,

a dor, o sacrifício de um simples abraço,

porque escreves o teu poema nos meus olhos,

se eu,

cego... não o consigo ler,

gritas-me e sussurras-me palavras...

e eu, eu não as quero ouvir,

porque tenho a certeza que choram as pedras entranhadas na pele da tua mão.

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Quarta-feira, 16 de Abril de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 19:06

Maio 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
13
16

17
19
23

24
25
26
27
28
29

31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO