Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

11
Ago 20

117056347_3843392975678140_7086002580485006967_n.j

Acrílico s/tela 70x100 – Francisco Luís Fontinha

 

Um silêncio de espuma poisa suavemente no teu olhar, a manhã fria, passeia-se pelo jardim imaginário da sombra, o perfume do teu sorriso vagueia, lentamente, nas amoreiras em flor, cansada, a manhã, alicerça-se aos braços do poeta, que incendeia palavras junto à árvore do silêncio,

Ouves-me?

Grito.

O grito da corça, o vai-e-vem dos sons melódicos do desejo quando abraçam o corpo camuflado no silêncio de espuma, as flores, o amor quando as flores brincam na eira granítica do sono e, ao longe, o tão esperado fim-de-semana,

Amanhã, vens?

A sepultura do esqueleto ósseo dorme, as lâmpadas da noite, em queda livre, suicidam-se nos pequeninos pedaços de papel que o poeta amarrotou durante a tarde,

Sombras de néon sombreiam o teu no corpo embalsamado pelo silêncio, aquele de espuma, que habita na cidade dos pássaros,

Flores, meu amor, são apenas flores…

E, ninguém sabe a que horas abre o jardim do descanso, com banquinhos de madeira cansada pela tempestade da tarde,

Amanhã, vens?

Claro que sim,

Flores, donzelas, meninos e meninas, o circo chegou à cidade dos pássaros e, os pássaros, todos eles, vestiram-se de palhaço; o pobre, o rico e, o grande palhaço do Reino, que existe, mas que ninguém conhece.

Abrem-se ranhuras no gesso fendido da madrugada, todos os gemidos nocturnos, de variadas cores, alimentam o orgasmo imbecil da esperança, acreditava em pássaros, meu amor,

Amanhã, mãe?

Ai o amor, meu querido, quando dormes sobre uma lâmina de granito, encostas a cabeça ao meu ombro, depois desces a calçada em direcção ao rio e, beijas-me loucamente,

Acreditas no destino, meu amor?

Talvez meu filho, talvez,

Um zero à esquerda, sentou-se sobre o paralelepípedo do sono e, embarcou numa jangada para a ilha dos amantes.

Hoje, sou um pedaço de silêncio de espuma.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 11 de Agosto de 2020

publicado por Francisco Luís Fontinha às 19:05

10
Ago 20

117598795_3861827803834657_3949275127673278642_o.j

Acrílico s/tela 70x100 – Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 20:29

09
Ago 20

117104807_3852724318078339_3482854269477889429_o.j

Acrílico s/tela 70x100 – Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 19:40

25
Jul 20

116133386_3811182805565824_8074717458220090878_o.j

Suicídio. Acrílico s/tela 50x70. Francisco Luís Fontinha

 

Sem tempo, esta escuridão de azoto,

Descendo nas borbulhas do sono,

E, meu amor, a tristeza quando a partida,

Às vezes complexa, de um olhar, talvez cansado,

Começa a desenhar-se no sorriso de uma esfera.

Uma caixa de vidro, uma janela em pedra,

Uma lágrima entre sorrisos e nuvens,

Vem a nós o corpo circunflexo da insónia,

E, nos teus seios, a alvorada envenenada pela escuridão.

Desenham em traços de água, o sono dos justos,

Os emagrecidos amanheceres da palavra escrita.

Sem tempo, meu amor,

Para dormir debaixo das árvores,

E dos silêncios da morte;

É tão triste, a morte, meu amor,

Quando morre o livro,

Quando é assassinada a palavra,

E uma nuvem de fumo educada,

Deita-se solenemente na manhã a despertar.

Sei que há dias tristes, muito tristes e, aqueles, menos tristes, mas felizes,

Onde brincam criancinhas vestidas de pano,

Amarrotado,

Pequena folha em papel que arde na sanzala,

Basta um sorriso,

Uma pequena lágrima,

Para nascer em ti o poema prometido.

Sem tempo, amor,

Sem tempo neste corredor de sonhos.

 

 

Francisco Luís Fontinha

25/07/2020

publicado por Francisco Luís Fontinha às 19:13

10
Fev 20

84527191_3378198915530884_5861019265267662848_o.jp

60 x 80 acrílico s/tela – Francisco Luís Fontinha

publicado por Francisco Luís Fontinha às 00:17

04
Fev 20

84119804_3366909149993194_7169155136990740480_o.jp

Francisco Luís Fontinha – Alijó.

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:48

03
Fev 20

83883772_3364666333550809_968260124449701888_o.jpg

Em construção. 60x80 acrílico s/tela. Francisco Luís Fontinha – Alijó

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:50

02
Fev 20

E, agora? O que será de nós depois da saudade;

Pertenciam-lhe as palavras invisíveis das marés de prata.

A boca mergulhava na ínfima madrugada do silêncio,

Descia à cidade, quando acordava a noite,

Pegava num pedaço de sombra,

Agachava-se no pavimento húmido da solidão…

E, gritava palavras de amor.

E, agora? Que a tempestade regressou de ontem,

Traz consigo os dois cansados cadáveres da única memória que lhe restava,

Os homens entre guerras e coisas simples, banais,

Percorriam as ruelas sem saída, suspendiam pinturas nas janelas do horror,

Para que as crianças conseguissem adormecer,

Nesta cidade de “merda”, sem dormitórios, sem palavras abstractas,

Que pertencem aos livros de poesia.

O corpo arrefece sobre a lápide fria da manhã,

O silêncio vem em direcção ao peito,

Como uma flecha, e, o sangue corre para os canaviais…

Tinha medo da saudade,

E, agora?

O que será de nós, depois da saudade, quando alguém procura o corpo amachucado pela violência dos gritos do homem de chapéu negro,

Seu nome Chapelhudo, vestido de pássaro nocturno,

Quando as palavras emergem e, tudo à volta morre, extingue-se em finíssimos pedaços de carvão,

O desenho acorda,

Mergulha na tela da saudade,

Sempre ela, a saudade dos dias, da noite, dos candeeiros a petróleo…

E, agora? Nada.

Apenas um sorriso,

Flácido,

Triste,

Porque sim;

Cansado da vida.

Chapelhudo, morre. E todas as palavras do menino branco.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

02/02/2020

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:04

26
Jan 20

83427797_3345019198848856_108267930734559232_o.jpg

50 x 60 – Acrílico s/tela – Fontinha – Alijó

publicado por Francisco Luís Fontinha às 01:02

15
Jan 20

Não me digas as palavras que eu te prometi.

Ontem, reinava o silêncio, no interior do teu abraço,

As flores, cansadas de dormir, acordaram com o teu sorriso,

Dilacerado nas manhãs de Sábado.

Não gosto dos Sábados, meu amor.

Fico estúpido, burro,

Durmo na despedida do Adeus,

Às vezes, esqueço-me de almoçar,

Lanchar,

Ou… jantar,

Coisa pouca,

Ninguém morre por não comer.

Não me digas as palavras que eu te prometi,

Porque este livro em solidão,

Assusta-se com a minha voz,

Foge de mim,

Como um mendigo,

Ou… sem-abrigo.

Não,

Não me digas,

As palavras,

Em voz alta,

As palavras que eu te prometi,

E mesmo assim, hoje, escrevo-as no teu olhar.

Sinto-me cansado dos dias,

Das noites,

Sem dormir,

Vagueando num corredor escuro,

Sombrio,

Que me traz à lembrança, a morte.

Essa mesmo,

O final do dia,

O eterno desgosto,

Que abraçam os livros de poesia.

Oiço-te,

Lá longe,

Nas páginas esquecidas da sonolência das palavras,

E mesmo assim,

Grito,

Sufoco com os gritos das pedras,

Também elas, tristes, gastas, e, cansadas.

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

15/01/2020

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:47

Agosto 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
12
13
14
15

16
17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO