Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

12
Out 14

Com a participação de Francisco Luís Fontinha.

publicado por Francisco Luís Fontinha às 23:30

16
Jun 14

Há silêncios que lutam enquanto dormes, e sonhas,

há mãos que se cruzam, mãos que rezam...

há silêncios que tu não entendes,

palavras escritas na escuridão,

há silêncios que labutam, que gritam... que morrem...

 

Há cabelos que se despedem do amanhecer,

cabelos brancos, cabelos frágeis, e mãos que rezam,

há silêncios que não te esquecem,

que nunca te ignoram,

cabelos loucos, cabelos que namoram,

 

Há...

talvez...

um poemário à tua espera,

 

Há silêncios dentro do teu armário,

e crucifixos embrulhados em cinzentas pálpebras,

há as tuas palavras,

que acredito, não acredito...

 

Mas que tento acreditar!

Há luzes que brilham, luzes que são engolidas por embarcações enjoadas,

lágrimas, e tristes madrugadas,

poesia, poesia... nos teus cabelos suicidados...

há silêncios...

 

E... e adormecidos soldados.

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Segunda-feira, 16 de Junho de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:04

05
Jun 12

as palavras dos teus olhos

habitam no poemário

enfeitado com cerejas

e hortelã

 

a voz canina da primavera

entranha-se em mim

e o meu corpo pede abraços

ao transeunte anónimo

que apressadamente se esconde

no poema

 

as palavras

morrem

como tu um dia morreste

(habitam no poemário)

mulher suicida-se

no rio imaginário que brinca nos teus beijos

publicado por Francisco Luís Fontinha às 14:37

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

17
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO