Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

MENU

Oiço-te

Francisco Luís Fontinha 26 Mar 19

Oiço-te.

Penso nas tuas sílabas quando poisam nos meus lábios,

Oiço-te, a cada madrugada, a cada hora passada,

Quando eu deitado, na esplanada encerrada,

Descanso de pessoal,

E, no final do dia, as palavras embriagadas,

Quebram o teu silêncio,

Como uma fechadura,

Pobre,

Nua,

Oiço-te.

Na vanguarda da noite,

Carregado de cartazes,

Lutando contigo,

Lutando…

Até que um dia, novamente,

Perderemos a guerra,

Já o senti,

Já o vivi,

Mas hoje,

Hoje tenho o prazer de te ouvir.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

26/03/2019

Fim da vida

Francisco Luís Fontinha 24 Mar 19

O ponto final da vida.

A morte prometida,

Sobre uma mesa empobrecida,

Quando os livros revoltados,

Descem a avenida,

Como soldados.

 

Pum. Fim da vida.

 

O silêncio.

Amo o silêncio dos pássaros, poisados nos teus lábios,

Doirados,

Doces,

Dos eternos namorados.

 

Grandes sábios.

 

Descem, sobem,

Sobem e descem,

 

Avenidas, ruas e ruelas,

Coitados,

Dos pássaros enamorados,

 

Entre lágrimas e velas.

 

Morre o poema na minha mão,

Sinto-lhe o esqueleto de dor, junto à noite,

Morrem todas as palavras do poema que morre na minha mão…

E coitadas…

Das janelas empoeiradas,

Velhinhas,

E, cansadas,

Como sexos apaixonados,

Nas sanzalas de prata,

A chuva miudinha,

Dos marinheiros em flor,

O cansaço, a desgraça do cio da madrugada,

Do meu primeiro amor.

 

Como eu quero escrever no teu corpo de sombra,

Na rua, uma montra,

Um par de calças esperando-me…

Sem saber que no final do dia,

Eu sentia,

A fórmula mágica das árvores apaixonadas,

As areias,

Os insectos envenenados pela fúria,

Não o sei, meu amor,

Nunca soube, meu amor,

Que o amor é uma merda,

Uma canção de revolta,

À volta,

Da fogueira.

 

Pum. fim da vida.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

24/03/2019

O espelho

Francisco Luís Fontinha 23 Mar 19

No rosto a flor queimada da madrugada,

A sombra voadora do silêncio inanimado,

Os sopros dos corpos amachucados,

Quando a minha voz, cansada, trémula… se desfaz,

Em pequenas gotículas de geada,

O triangulo, o quadrado,

A canção revoltada,

Pelas palavras,

Do nada.

A boca silenciada,

Para mim, tanto faz,

Que seja de manhã, anoitecer…

Ou nada,

No rosto, as lágrimas dos telhados,

Nas sílabas incendiadas por um louco,

De tudo, nada,

Ou pouco.

A geada madrugada,

Os camuflados sorrisos do nada,

Coitados,

Tanto trabalhar,

Tanto amor,

Que de uma flor,

Vê-se o mar

E o nada.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

23/03/2019

O visitante desamado

Francisco Luís Fontinha 21 Mar 19

Não tenho tempo para amar.

Amar o não amado, quando o desamado, triste, parte junto com a morte,

Pertinho do mar,

Uma flor em transe, vai habitar o meu jardim,

Coitado do poeta, desamado, sem sorte…

Ouvindo os berros do clarim.

 

E das palavras, construo farrapos,

Farrapos que que agasalham,

Gritam,

Morte ao amor.

 

Ponto.

 

Travessão.

 

O visitante da minha sepultura, de vela no coração, e flores no sorriso,

Escrevo um conto,

Estendo a mão…

E aparece nos meus lábios o juízo.

 

Porque me bates à porta?

 

A casa vazia, sem janelas para a ribeira,

O silêncio pendular da paixão,

Descendo,

Subindo,

Malditas escadas sem corrimão,

Sem beira nem eira,

O desamado, mentindo,

Que ama a flor, aos poucos tombando.

 

No chão argamassado.

 

Amar?

Não. Obrigado.

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 21 de Março de 2019

O silêncio.

Francisco Luís Fontinha 18 Mar 19

Entre as mulheres, o crucifixo da paixão,

As sílabas na rebelde tarde poeirenta,

Esperando o regresso do rio Doirado.

As palavras milagrosas, nas mãos do peregrino,

As lágrimas, tenebrosas,

No rosto do pobre menino…

Escrevo-te esta canção,

No papel pardo, que alimenta,

E respira,

O meu corpo cansado.

E, o vento me atira,

Todas as pedras da montanha,

Ninguém me apanha na escuridão…

Sofro, a morte aparece suspensa nas paredes da aldeia,

Tenho uma ideia,

Um dia, um dia deitar-me no chão,

E sonhar-te enquanto caminhas em direcção ao mar.

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 18/03/2019

Corpo de incenso

Francisco Luís Fontinha 17 Mar 19

No futuro, amar-te-ei?

Escrevo-o no teu corpo de incenso.

 

A escravidão de amar.

 

STOP.

 

A carta que nunca recebi,

As palavras tontas, esfomeadas, que enviaste da cidade,

As ruas íngremes, sonolentas e cansadas…

 

Como eu, o assalariado poeta das noites perdidas,

Sentir no corpo o peso da tua sombra,

Quando descem sobre mim os candeeiros a petróleo,

Imaginados pela loucura,

Numa tarde de Primavera.

 

A morte.

 

A sorte de morrer, sem o sentir,

Sentir a morte, sem morrer,

Nos livros,

E, palavras.

 

O fim.

 

No futuro, amar-te-ei?

Escrevo-o no teu corpo de incenso,

O lanche envenenado pela solidão,

O pão,

O sorriso do teu cabelo,

Nos jardins de Belém…

 

A partida.

Para sempre; a morte, da morte…

Na morte.

 

E, as palavras.

 

As palavras da morte.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 17 de Março de 2019

Tudo o que há em ti

Francisco Luís Fontinha 16 Mar 19

Tudo o que há em ti, meu amor,

São sílabas envenenadas,

Nos lábios cansados,

Do poeta.

 

Tudo o que há em ti, meu amor,

São amêndoas em flor,

Nas mãos da madrugada…

São palavras inventadas,

Poemas revoltados…

 

Do poeta.

 

Tudo o que há em ti, meu amor.

 

Do poeta,

Os livros engasgados no teu ventre,

O poema abraçado aos teus seios, como uma caravela,

Esquecida no mar,

 

À deriva.

 

Tudo o que há em ti, meu amor,

Os pássaros que brincam no teu cabelo,

Olhando a calçada,

Quando desce a noite na pele cinzenta das árvores queimadas,

 

Tudo, meu amor.

 

Tudo se cansa em mim,

Como pedras ensanguentadas,

Os comprimidos do sonho,

A injecção da esperança,

E tu, meu amor,

 

Nesta amaldiçoada canção.

 

Tudo o que há em ti, meu amor,

A manhã em pequenas quadriculas de tecido,

A agulha, o dedal…

Junto ao mar.

 

Tudo o que há em ti, meu amor.

 

O desejo da paixão,

Num corpo apaixonado,

 

Tudo, meu amor,

Da janela desventrada,

O silêncio dos livros queimados,

Na tua ausência…

Do poeta,

 

Tudo, tudo o que há em ti, meu amor!

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 16/03/2019

A navalha do silêncio

Francisco Luís Fontinha 15 Mar 19

A navalha com que assassinaste os meus límpidos lábios,

É a mesma com que acaricio as veias das palavras,

Um narciso, chora,

E, cresce a tarde na tua boca.

O peso do corpo na balança da solidão,

Regressa a morte,

E, levantam-se do chão calcinado, as andorinhas em flor.

Um narciso, chora.

O meu jardim está de luto,

Morreram todos os meus livros, todos.

Meu grande amigo, amanhã, Sábado, a navalha da solidão vai alicerçar-se no meu peito,

Sinto os cigarros que me assombram ao cair da noite,

E vou morrer…

 

A água da paixão, no tanque da saudade.

 

Deixa as árvores voarem sobre a aldeia,

Como pássaros em cio,

Vadios,

Em liberdade.

 

Nunca me ouves.

Nunca me abraçaste como abraças o meu silêncio,

Uma carta fica suspensa na mão do carteiro; Amas-me?

Não.

Claro que não.

 

O amor é uma merda.

 

Como eu,

E, as palavras minhas,

Poucas e apaixonadas,

Procuram, embriagadas,

As noites cansadas…

 

Como eu,

 

No amor teu.

 

Só.

Só.

 

E sinto o mar dentro de mim.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 15/03/2019

Eterno chão

Francisco Luís Fontinha 14 Mar 19

Tem uma caneta na mão,

Desenha na sombra da tarde o cansaço da solidão,

Como na despedida,

Ouvindo a canção…

Que o silêncio alimenta,

E tece,

Sobre o chão.

Hoje, não me apetece,

Escrever,

Comer,

Ler.

E senta,

E deita-se na cama sem colchão.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 14/03/2019

Sábado

Francisco Luís Fontinha 9 Mar 19

Hoje, Sábado, eu, não fiz nada,

Rigorosamente, nada.

Hoje, eu, Sábado, levantei-me às seis e trinta minutos,

Dei a injecção à minha mãe, depois, fumei dois cigarros virgens,

Completamente, virgens,

E, deitei-me.

Dormi.

Tomei banho. Fui tomar café, buscar as compras…, ir ao cemitério,

Hoje, eu, Sábado, não fiz nada,

Rigorosamente nada.

Almocei, tomei café, e voltei a adormecer…

Acordei, lanchei…

E escrevo estas palavras,

Hoje, eu, Sábado, não fiz nada,

Rigorosamente, nada.

Hoje, eu, Sábado, sinto na boca as palavras salgadas, tristes, distantes,

E, rigorosamente, nada.

Hoje, eu, Sábado, não fiz nada.

Os pássaros, os teus pássaros, todos estacionados nas tuas mãos de areia fina,

Branca, como a do Mussulo,

E, regressa a noite.

Pinta-se o dia de tristeza, não me ouve, ele, como sempre,

Rigorosamente, nada.

Nada.

Sábado, eu, hoje, acordei cedo, deitar-me-ei tarde e acordarei cedo,

Amanhã, Domingo, a voz enrouquecida pela tempestade,

E sinto o mar, dentro de casa, só, só, como eu,

Hoje.

Rigorosamente nada.

Ao final da tarde,

As palavras que há pouco experimentei, salgadas, tristes e sós…

Rigorosamente, nada,

Hoje.

Sábado.

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 9/03/2019

Sobre o autor

foto do autor

Feedback