Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

08
Abr 17

Finge o tempo acordar nos adormecidos sargaços da manhã,

Invento o esmagado espaço que os pássaros alimentam sem perceberem que a madrugada se suicidou nos rochedos da solidão,

Sou feliz assim…

Procuro nas janelas do amanhecer os carrascos envelhecidos da paixão,

E dou conta que nas minhas mãos restou a saudade,

Pego num livro,

Abro-o e procuro nele as personagens da noite,

Vagarosamente,

Construo o invisível visitante da desgraça…

Que vive em minha casa,

Oiço o teu sorriso nos alpendres da insónia,

Caminho sobre o teu corpo como um vagabundo da vergonha,

E mesmo assim… para ti, sou o assassino das palavras não escritas,

Velhas e irritantes,

Escrevo-te como escrevi milhares de vezes à Lua,

Em vão…

A distância dos supérfluos caminhos do desgosto,

Essas… parecem adormecidas nos meus pequenos lábios de porcelana,

As fotografias,

As imagens prateadas das sandálias do cacimbo que ficaram nas enxadas profundas dos charcos de água,

Os fantasmas do luar descendo a calçada até que a morte vinha e nos levava para destinos incrédulos, ausentes, sem nada,

Finge o tempo,

Finge o lamaçal de vaidades que me rodeiam e odeiam como serpentes de veneno encarnado,

O tempo que não avança nas tuas coxas,

Os teus seios que se encontram acorrentados ao mísero porto, o cheiro nauseabundo da nafta e de velhas sucatas, a proximidade do teu sorriso agachado no pavimento encaixotado, móveis, miudezas e outros ossos…

A loucura,

Que finge pertencer-me…

E que eu nunca tive a oportunidade de a vencer na batalha da solidão,

São, meu amor, são os poemas desertos do desencontro que me deixam atormentado,

São as tuas palavras cravadas no meu peito que me dão as asas necessárias para eu voar junto à janela…

E mesmo assim, queres que eu finja que sou poeta…

STOP.

 

 

Francisco Luís Fontinha

Alijó, 8 de Abril de 2017

publicado por Francisco Luís Fontinha às 19:57

28
Fev 17

Chove dentro de mim

O silêncio da madrugada,

Habito este corpo de porcelana queimada,

Como os pássaros do meu quintal ao entardecer…

Ardem,

Fogem da minha mão até se esconderem no infinito,

O deserto regressa numa jangada em pedra polida…

Triste,

Cansada,

Triste,

Amordaçada,

Chove dentro de mim

O silêncio da madrugada,

E das noites embriagadas,

Oiço o teu ventre sorrir na alvorada,

Uma lágrima de sono,

Não é nada,

Apenas o reflexo das palavras em suicídio

Que alimentam o poema da desgraça,

Tudo é triste,

E tudo morre numa tábua triturada pela solidão,

Que não resiste,

E assiste…

Ao complexo rio da saudade,

Faço-me à estrada,

Levanto as amarras deste porto nocturno do desgosto

Que trago sobre os ombros,

Vivo na cidade cansada,

Vivo na rua das esplanadas de vidro

Que a morte inventa na minha voz,

Este sítio vadio que não vem nos livros,

Este cansaço de pedra que tritura o pequeno-almoço ao acordar,

Triste,

Cansada,

Amordaçada… esta barcaça em delírio,

Este simples rio

Que traz nos lábios o frio,

A ardósia do desassossego na ponta dos dedos,

A mão alicerçada no medo encapuçado pelo destino,

Morro,

Vivo,

E sinto… e sinto a explosão do sofrimento

Sobre os rochedos dos tristes milagres enjoados…

Este cansaço,

Meu amigo,

Este cansaço meu amigo que me atormenta dia e noite…

Sem que eu saiba

Que chove dentro de mim

O silêncio da madrugada,

Stop.

Amanhã será outro dia nas páginas da desgraça…

 

 

Francisco Luís Fontinha

28/02/17

publicado por Francisco Luís Fontinha às 20:23

20
Dez 15

Neste porto onde me encontro fundeado pareço um pergaminho desgovernado,

As palavras fugindo para o Cais dos Afogados

Como se houvesse um silêncio em cada palavra escrita,

Deixei de pertencer ao meu corpo,

Deixei de ter corpo,

Para alimentar o desassossego da solidão,

Neste porto

Um infeliz marinheiro sem Pátria,

Em busca da sua embarcação…

Fundeada nos meus braços,

Carrego nos ombros a morte,

O infeliz destino de ser menino,

 

Carrego nos ombros a forca

Dos telhados de vidro…

E o triste destino.

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

domingo, 20 de Dezembro de 2015

publicado por Francisco Luís Fontinha às 13:27

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

17
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO