Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

MENU

Revolta

Francisco Luís Fontinha 11 Out 15

(Liberdade para todos os Presos Políticos em Angola)

 

Não acredito no amor,

Porque “o amor é um gajo estranho” (Pop Dell`` Arte),

O amor é um cadáver deitado no vazio,

É um esqueleto de estanho,

Em cio,

No princípio da madrugada,

Com fastio,

Drogada,

Não acredito no amor,

Não acredito na alvorada,

Me mente,

E me ama…

Como uma enxada,

Desenhando nos Socalcos do Douro a paixão de quem manda,

O fuzilamento de mim

Abraçado ao teu cabelo,

Sentado,

Cansado…

Cansado deste jardim,

Me escondo de ti,

E tenho saudades tuas…

Escrevo, rasco o que escrevo…

E nem devia,

E não devo…

Escrever o que sentia,

Esquecer o que me rodeia…

Nesta aldeia,

Neste cubículo de quem semeia…

O amor que não acredito,

Paro,

Escuto e grito,

“Liberdade para os presos Políticos de Angola”,

Foda-se,

A prisão

E as ditaduras,

O medo,

O medo e todas as esculturas,

Os ditadores,

Os impostores…

Agachados nos meus berços.

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Domingo, 11 de Outubro de 2015

Sobre o autor

foto do autor

Feedback