Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

27
Set 11

Traz o vento o beijo invisível aos lábios da princesa, e no castelo adormecido sobre as acácias o meu irmão João enrolado nas manhãs submersas na espuma da solidão,

Caiem pedras sobre o rio,

E a princesa descalça tropeça nas pedras que caiem sobre o rio,

 

- O meu corpo deseja-se e ausenta-se quando me aproximo das árvores do jardim as pequeníssimas silabas que a princesa deixava cair sobre a areia húmida da noite, e um dia sentei-me sobre as sombras que corriam nos carris com destino a Cais de Sodré, e antes de chegar ao fim do meu trajeto olhei o rio, olhei-o como quando se olha um desejo escondido numa ruela adormecida, e ouvi a voz do rio emaranhada em amêndoas com chocolate, o meu pai pegava-me na mão e procurava na algibeira os cigarros que tinha deixado adormecer no domingo passado, eles cansados, acendia-os e eles recusavam-se a caminhar à nossa beira,

 

E baixavam os braços,

 

Quando o castelo começava a acordar e as janelas se abriam para deixar entrar o vento que trazia os beijos invisíveis da princesa e já em pleno corredor brincavam com os sorrisos dos cortinados e se abraçavam à claridade minúscula que se erguia junto ao pavimento,

 

- E baixavam os braços,

 

E se abraçavam à claridade minúscula que todas as noites o soalho guardava na mão misera quando no mar o enforcado debatia-se com a maré e a ausência do vento,

 

- E sem vento não beijos invisíveis,

 

O meu irmão João que brincava nos altíssimos ramos da acácia frente ao mar, e que corria, e que saltava, e que um dia experimentou a lei da gravidade, e sem gravidade desenhou arranhões nos braços e nas pernas,

 

- E baixavam os braços e entravam beijos invisíveis pelas janelas, os cortinados baloiçavam como crianças escondidas nos quintais de Luanda, as mangueiras deitavam-se no chão emagrecido e as andorinhas à procura de vogais e frases e restos de poemas,

 

Numa ruela adormecida, a calçada nos enjoos da manhã depois de uma noite de embriaguez à procura de vogais e frases e restos de poemas, e o meu irmão João de braços cruzados a sentir o mar a entrar-lhe dentro do corpo,

 

- Sai daí João,

 

Não, e não saio,

 

E baixavam os braços na magreza do enforcado, e que não saio berrava o meu irmão, e quero o mar dentro de mim,

 

- O meu corpo deseja-se e ausenta-se quando me aproximo das árvores do jardim as pequeníssimas silabas,

 

E que não saio,

 

Das pequeníssimas silabas o vento que traz os beijos invisíveis da princesa,

 

- E que não saio,

 

E que quero o mar dentro de mim, quando a sombra que corria nos carris chegava a Cais de Sodré saía da estação e escondia-se debaixo da rampa na companhia de homens vestidos de mulher, e de mulheres pensando que eram homens,

 

- E que não saio,

 

E de mulheres pensando que eram homens e que eram mulheres de garganta aberta e nos dentes as vogais as frases e restos de poemas, e cansaços da vida,

 

- E que não saio,

 

Que as andorinhas procuravam junto ao mar.

 

(texto de ficção)

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:48

30
Abr 11

Atormentado pela insónia da noite, o Mantinhas, saltitava no sorriso de uma linda bela Princesa, e de olhar em olhar, voava em redor do seu castelo, onde se encontrava aprisionada, e só o Mantinhas a fazia feliz. Na alvorada uma gaivota poisava no parapeito do sonho, que todas as noites, invadia o quarto e a linda bela Princesa fixava o olhar num ponto de luz invadido pela saudade, momentaneamente, feliz.

 

Passava horas acordado, passava horas olhando o infinito, e ao longe, quando o amanhecer parecia acordar, respirava fundo, deitava a cabecinha nos braços da linda bela Princesa e adormecia; viajava em direcção às arcadas do paço, escondia-se entre o amontoado de silêncios que por aquela altura deambulavam ao sabor da noite, esquecia-se das horas, dos dias, esquecia-se da madrugada, esquecia-se que seu nome era simplesmente, Mantinhas, e que amanhã novo dia acordará.

 

E quando o sol acordava, lá estava ele nos braços da linda bela Princesa, e em silêncio pintava na tela do seu pensamento o sorriso mais belo, mais lindo do reino, da ilha construída na imaginação do sonho, a minha ilha, só minha, perdida no mar, à espera desse olhar que só ele podia ouvir nas noites de insónia…, quando o meu sonho, só meu, juntamente como os poemas de Pablo Neruda entravam pela claridade do desejo, seguiam na direcção dos teus braços, tu, olhavas para eles como se fossem rosas amarelas acabadas de acordar, e eu, maravilhava-me com o Mantinhas pendurado no teu sorriso, e brincava com o se fosse uma criança, menino de rua.

 

De vez em quando uma nuvem cobria o castelo de sorrisos e de beijos imaginados de véspera, quando ainda o dia não tinha terminado, quando ainda na minha ilha, eu, caminhava à procura de uma tempestade de vento deixada na palma da mão, a minha mão, cremada pela ausência ausente de mim, longe ou perto, nas velas de um veleiro em construção; e eu aproximava-me do veleiro atracado dentro de mim, e ele, fugia, e rebocado pelo vento, acabou por encalhar junto aos alicerces do castelo, foi quando vi o Mantinhas sorrindo à janela, e a seu lado, a linda bela linda Princesa.

 

O Mantinhas é um gatinho, é muito feliz; tem insónias, também as tenho, mas ele, tem o olhar da linda bela Princesa…, e eu, não tenho nada.

 

 

 

(texto ficção)

Luís Fontinha

Alijó

publicado por Francisco Luís Fontinha às 13:08

29
Abr 11

Os teus seios suspensos na montanha

Quando olham a ribeira

Entre o xisto pregado ao amanhecer

Em sorrisos feiticeira

 

E dos segundos emerge a manhã

Que se apoderam do teu corpo adormecido

Das tuas mãos o desejo de princesa

Nas tuas mãos o silêncio prometido

 

Os teus seios suspensos na montanha

Que os meus olhos acariciam alegremente

Correm as gaivotas junto ao mar

E junto ao mar dormem como gente…

 

 

Luís Fontinha

29 de Abril de 2011

Alijó

publicado por Francisco Luís Fontinha às 10:24

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

17
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO