Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

31
Mar 15

As línguas abraçadas no céu-da-boca

A chuva argamassada contra o silêncio nocturno

Em redor de dois corpos invisíveis

O prazer nas palavras

Saltitam enquanto folheamos um livro sofrido

Em lágrimas

Da morte inanimada

O Sol embrulhado dentro de quatro paredes

O tecto desce

Desce…

E tomba no pavimento lamacento de um dos corpos

O fim da tarde evapora-se

Nos lábios de um cigarro

Negro

Noite

Sombrio

Como os pássaros da minha aldeia

Subo aos teus cabelos

E sento-me nas avenidas envernizadas da madrugada

A cidade cresce

Os automóveis enfurecidos

Em raiva

Como os cães selvagens

Montanha abaixo

A ribeira espera-os

Como visitantes insignificantes

O sexo suspenso nos cortinados do desejo

Os gemidos

E as sílabas da saudade

Há no teu corpo

Vapor de água

E cristais de prata

A imagem das tuas coxas em finas lâminas de desassossego

O mar

O mar dentro de ti

Construindo marés de esferovite

E alguns sorrisos apaixonados pelo sono

Perdi-me neste tempo infinito

Quando ainda existiam equações de areia

No quadriculado olhar

Hoje

Sou uma caneta avariada

Que deixou de escrever palavras

Que…

Que tem uma lápide sobre a secretária

E uma fotografia

Húmidas vogais

Agarradas às escadas da paixão

Sem saberem que a morte

Não é a morte

Que o medo

Não é… o medo

Voar

Sofrer enquanto caminho sobre um arame

(sempre quis ser trapezista)

Artista de circo

Palhaço

Andante…

Sem nome

Quando acordo e sinto que estou vivo

A praia parece a eira de Carvalhais

Graníticas espigas de cio

Nas frestas do sonho

Oiço o sino da Igreja

Quase a desfalecer

Tensão alta

(dizem)

E nos teus cabelos

As luas de Saturno

Envergonhadas

E Titã…

Entre beijos e poeira…

  

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Terça-feira, 31 de Março de 2015

publicado por Francisco Luís Fontinha às 19:17

27
Jan 14

foto de: A&M ART and Photos

 

Saturno nas tuas trémulas mãos de sede,

o infinito que habita nos teus olhos despede-se da maldição madrugada,

há um livro em desgraça,

uma fogueira inventada que consome a tua fúria no centro da praça,

há uma calçada com braços e mais nada,

e... e Saturno que teima em viver dentro de ti,

assim,

como vivem as plantas nos charcos das sanzalas de prata...

como tu desenhando cigarros de lata nos vidros da janela azul,

Saturno sempre nos teus lábios,

comendo Primaveras,

aos Sábados... em tristes sábios,

 

Saturno saturado da cidade,

da chuva,

do vento que teima em desabitar os teus cabelos das nuvens cinzentas...

Saturno é como as árvores que cobrem as tuas pálpebras de solidão,

e sempre que uma gaivota grita o teu nome em vão...

Saturno não se cala,

se revolta,

se revolta como os homens de uma canção,

Saturno nas tuas trémulas mãos de sede,

correndo cinzeiros,

escrevendo palavras no corredor da morte...

Saturno... Saturno sem sorte... sorte que nunca teve porque de feiticeiro nasceu o texto com beijos de avião...

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Segunda-feira, 27 de Janeiro de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 23:11

Maio 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
13
16

17
19
23

24
25
26
27
28
29
30

31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO