Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

07
Jun 14

Hoje, quero fugir,

esconder-me na sanzala da minha infância,

com os meus frágeis bracinhos, chapinhar nos charcos de areia,

hoje, hoje a noite parece um cortinado de incenso, ténue silêncio nos teus dedos,

faltam-me as palavras, faltam-me corpos para escrever as palavras,

de neblina, de pólen... corpos, de cera, de nada, apenas corpos sem significado,

hoje, quero fugir,

hoje, hoje pareço uma locomotiva galgando os campos de milho de Carvalhais,

apitos,

e gritos,

hoje,

hoje, os teus olhos incendiaram os meus lábios,

 

(palpita-me que hoje vais descobrir o texto invisível que esconde o meu peito)

 

Hoje, quero-te,

fugir,

alegrar-me com o teu sorriso de bambu,

afagar o mabeco desgostoso, cansado da vida, cansado... cansado destas palavras...

 

(Cansado da tua ausência, e não estás ausente, e não... e não hoje, por favor, hoje não, hoje não sonhos nos teus cabelos)

 

Hoje, quero fugir,

desenhar-te na minha boca,

hoje, esconder-me em ti,

como uma criança amedrontada,

triste,

com medo,

medo que do mar venha a sanzala da minha infância,

e me traga,

paciência...

porque hoje, hoje quero fugir,

e hoje quero-te em mim,

construindo círculos de preia-mar,

 

Hoje, quero-te,

fugir,

alegrar-me com o teu sorriso de bambu,

afagar o mabeco desgostoso, cansado da vida, cansado... cansado destas palavras...

 

(searas, margaridas, hoje todos me pedem as palavras que nunca escrevi)

 

E hoje, e hoje escrevo porque te vi,

e sem ti,

senti o luar poisar nos meus ombros,

senti o xisto dos muros caindo dos socalcos imaginários,

como os barcos de papel,

como os marinheiros de sisal,

enfeitados com plumas encarnadas e sorrisos de vodka,

e hoje, e hoje quero fugir,

aterrar num bar sem conhecer ninguém,

sem palavras,

sem... sem ti,

sentir o machimbombo da paixão em pequenos soluços,

 

(e nada como uma bebida com sabor a amar)

 

Um shot de AMOR!

Porque hoje quero fugir,

um shot de saudade,

porque hoje sem ti,

senti a tua fotografia na montra de uma livraria,

raios...

outra vez a poesia,

um shot, por favor,

um shot de alegria,

um shot para me recordar,

como eram lindos os teus seios de madrugada,

e hoje, hoje quero fugir,

 

(sem me preocupar com o amanhecer, sem me preocupar com nada).

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sábado, 7 de Junho de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:09

Maio 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
13
16

17
19
23

24
25
26
27
28
29
30

31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

Shot de AMOR!

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO