Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

MENU

Eternamente dia

Francisco Luís Fontinha 1 Abr 12

Há de acordar do silêncio da noite

A estrela polar dos teus olhos

E eu

E eu que sou um veleiro

Guiar-me-ei até aos teus braços

Meu porto de abrigo

 

Há de acordar do silêncio da noite

O fervor dos teus lábios

Quando a tua boca em desejo

Se alimenta do meu cansaço

 

Quando a tua boca em desejo

Mergulha nas minhas mãos

E olho-te à beira mar

Em brincadeiras com o vento

Há de acordar do silêncio da noite

Uma casa sem portas e sem janelas

 

E será eternamente dia.

Sobre o autor

foto do autor

Feedback