Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

MENU

Silêncio vulcânico

Francisco Luís Fontinha 30 Mai 14

Do teu silêncio vulcânico,

pequenos milímetros de saudade,

pedacinhos de beijos suspensos nas andorinhas,

estrelas há, mas um cortinado opaco ofuscam o teu olhar...

sereno,

uma sentinela fuma vagarosamente o seu cigarro de sombras alcalinas,

e tu, tu pertencente ao círculo trigonométrico, embrulhas-te no cosseno do desejo,

havendo sobre ti alguns sobejantes sorrisos de Luar,

 

Ou...

talvez, ou talvez não pertenças tu às noites sonolentas das camas de veludo,

do teu silêncio...

as gargalhadas dos telhados cabelos que voam sobre a cidade,

 

A musicalidade das tuas pálpebras quando se escancara uma janela de acesso ao mar,

o barco do sémen encalhado nas tuas coxas de vidro,

uma jarra de hortênsias envergonhada, suicida-se,

e no pavimento da inocências alguns pingos de espuma do colorido amanhecer,

do teu...

… o silêncio vulcânico insemina-se e cresce sobre os teus seios de Primavera,

louca,

a sanzala saltita entre charcos e os desnudos pássaros com sabor a viagem...

 

Ou...

talvez, ou talvez pertenças tu a um sonho impossível,

semeada no jardim da solidão...

ou... ou do teu silêncio vulcânico... acordem as cinzas da madrugada.

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sexta-feira, 30 de Maio de 2014

Sobre o autor

foto do autor

Feedback