Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

28
Dez 13

foto de: A&M ART and Photos

 

São as tuas mãos frias e doces que alimentam o meu olhar

são as tuas mãos a lareira do desejo

o sincelo amigo nas manhãs nubladas

são elas a chuva prometida

que a tua pele doirada absorve

como caramelo derretido numa panela de pressão angustiada

as vãs noites resfriadas enquanto espero por elas...

… as tuas mãos que poisam no rosto do sem-abrigo

e aquecem o mendigo

são as tuas mãos frias...

e doces...

e singelas sesmarias que alimentam o meu olhar

São as tuas mãos frias

aquelas que o papel engole quando às palavras vem a tristeza

o barco recusa-se a navegar no teu corpo

e o mar

e a madrugada lívida dos pássaros marinheiros

voam sobre a cidade dos homens abandonados

e se não fossem as tuas mãos

aquelas... as tais... que dizem ser frias...

e se não fossem elas?

nós?

Imaginas a nossa vida...

vivermos sem saber o que são as tuas mãos frias

E doces que alimentam o meu olhar

o mundo seria quadrado

a lua talvez fosse filha de um triângulos isósceles

pobre como eu

tão pobre que nem se consegue ver no céu...

se não fossem as tuas doces e tristes mãos

o que seria da raiz quadrada e do cosseno de trinta grados?

e tu miúda

bela e tão bela

preocupada com um borbulha... coisa insignificante

porque são as tuas mãos

as tais... as doces e frias... as janelas da solidão.

 

 

(não revisto)

@Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sábado, 28 de Dezembro de 2013

publicado por Francisco Luís Fontinha às 19:39

Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

17
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

posts recentes

Janelas da solidão

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO