Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cachimbo de Água

MENU

Invisível luar

Francisco Luís Fontinha 19 Out 14

Os quatro círculos de luz que envenenam o teu olhar

na geometria apátrida dos teus lábios,

a brancura da montanha sem coração...

 

O teu corpo em chamas funde-se nos silêncios cansados da tarde,

tens nas mãos os trémulos compassos do sofrimento,

gemes,

e inventas imagens no invisível luar,

 

Há um pássaro vestido de papel que te incendeia,

tu, tu ignoras os horários marinhos,

tu, tu ignoras os calendários sem quadrados nas semanas que alguém constrói só para ti...

finges estar sentado no cadeirão de sombras como se fosses uma pedra sem lei,

tens na boca a amargura da dor,

e do teu corpo em chamas...

a madrugada que nunca mais cresce,

e desaparece como uma tempestade de néones sobre a cidade...

 

Os quatro círculos de luz... um dia extinguir-se-ão como os vidros da tua alma,

um caixote de iões envolverá os teus cabelos,

e a brancura da montanha sem coração... será o abismo das palavras prometidas...

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Domingo, 19 de Outubro de 2014

Sobre o autor

foto do autor

Feedback