Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

25
Out 14

Vagueias entre os lábios das andorinhas de papel

és uma planície desgovernada

que espera ser semeada...

com palavras

e beijos de pólen

vagueias nos disfarces da madrugada

ténue luz

janela encerrada,

 

Vagueias... com arte

vagueias na geometria complexa do meu olhar

esperamos o regressar da vertigem

há em ti o silêncio e a viagem

de vaguear sem destino

vagueias na metamorfose dos ossos de cristal

entre os barcos cansados de caminhar...

… e os homens embebidos nos poemas de chorar,

 

Vagueias no sexo inventado dos amores risíveis

trazes no peito a claridade da insónia

misturamos os dedos nas mãos que vagueiam as montanhas de sémen...

vagueias por vaguear

e sonhas com círculos suspensos no Céu

… e os homens embebidos nos poemas de chorar

que o poeta deixou na clareira amortalhada

que o poeta cessou depois da tua partida,

 

Vagueias miúda no cigarro incandescente

corres, corres... corres sem perceber que há no amanhecer fotografias tuas

calendários moribundos...

e relógios com mecanismos envenenados

vagueias nos alicerces da solidão

deitas a cabeça no meu peito

e em tristes suspiros...

finges que me amas... quando é impossível amarem este poeta de luz...

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

Sábado, 25 de Outubro de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:38

Maio 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
13
16

17
19
23

24
25
26
27
28
29

31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO