Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

28
Mar 20

O tempo que passa,

Desassossega o desespero,

Finto a vaidade,

Perco o emprego,

Vagueio na distância,

Ilumino-me,

E, perco-me no cansaço dia.

Tenho pena,

Daqueles que por lá passaram,

E, desavergonhadamente,

Lá continuam,

Esperando as pedras que caiem do silêncio,

Aos poucos,

Em cio,

Os pássaros loucos,

No desvaneio da solidão.

O tempo passa,

A fome aperta,

Neste desespero acontecimento,

Dos novos marinheiros,

Entre sexos e chapas de zinco,

O rio, comem-me,

Quando a maré se abraça ao cansaço.

Todas as vezes, algumas, o tempo passa,

O mar envaidece-se de sonolências madrugadas,

Calcárias manhãs de Primavera,

Ao deitar,

Sobre o travesseiro da insónia,

Esqueço-me de acordar,

Tomo café, todos os dias,

E, vejo no jornal, a minha foto,

Necrologia,

Perdidos e achados,

Despeço-me,

Até logo,

Abraços.

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

28/03/2020

publicado por Francisco Luís Fontinha às 23:26

21
Mar 20

Conheci a puta de uma laranja assassina.

O gesto de coçar os testículos,

Quando o Rossio entre orgasmos e gemidos,

Traz o cansaço,

Os berros,

E, os cubículos.

O restaurante, encerrado.

As putas em delírio,

Sem clientes,

Passam fome,

Deveras,

Quando a aldeia acorda.

E eu, aqui sentado,

Fumando cigarros de haxixe, toco clarinete,

Bombo,

Punhetas a grilos,

E, afins.

Se te podes revoltar, revolta-te,

Come tremoços,

Mija contra os postes de electricidade,

Vem-te,

Vai-te,

E fode-te,

Ao pequeno almoço.

As laranjas assassinas,

Na marmita do tesão,

O foda-se,

Então?

Ai Senhor,

As putas em delírio,

O cansaço delas,

Nas mãos calejadas do centro de massa…

A equação do caralho,

Lacrimejado,

Entre paredes,

E dias de desassossego.

Por isso não esqueço,

A maldade,

O sumo da laranja,

Quando assassina o sexo.

Morre o tesão;

Fodam, fodam, que agora é de graça,

E não digam a ninguém,

Contra os rochedos,

Marchar, marchar…

E, depois,

Não se esqueçam de encerrar a janela,

A fechadura,

Porque às vezes, parece,

Mas não o é,

Sempre, às escuras.

Faltou a luz,

Esqueci-me de pagar a electricidade,

Foda-se,

Vou mijar contra o poste,

E se não gostarem,

Acabou.

Fim.

Fodi-me.

Fui assassinado por uma laranja.

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

21/03/2020

publicado por Francisco Luís Fontinha às 23:00

24
Fev 20

Acordava do sono emagrecido,

O homem da nuvem embriagada,

Cansado,

Perdido,

E, reclamava,

E, gritava,

A palavra enfeitiçada.

E, hoje, nas camufladas ruas da cidade esquecida,

Embrenhado na poesia, a canção do adormecido,

O homem, cansado, denegrido,

Escreve sem ânimo,

Desiludido…

Dos alicerces envergonhados.

Rezam pela sua alma,

Coitado,

Sem nome,

Degolado pela tempestade,

O homem, o mesmo homem, o cansado,

Pegas nas palavras da reza em seu poder,

Desorganiza-se,

Veste-se de negro,

Negro, negrito, negrinho,

Como o gato do vizinho,

Dançando na eira das espigas adormecidas.

As sombras do silêncio,

A alvorada da sinfonia que jaz na ribeira,

O rio, em delírio,

O rio, desconectado da vida,

E, corre,

E, dorme,

Nas almas do mar.

O mar tudo engole, e, tudo mastiga,

Pessoas, lixo, palavras, o vento…

Uma laranja, sofre,

E, vive,

E, morre,

Dentro da laranja adormecida.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

24/02/2020

publicado por Francisco Luís Fontinha às 19:57

03
Fev 20

O regresso nunca mais.

A terra húmida, depois das lágrimas da tarde,

Ficou lá, no outro destino do menino dos calções.

Todas as sombras, choram, ditam palavras aos esqueletos de silêncio,

Que as mãos, trémulas, seguram, enquanto cai a noite,

O corpo, levita, desassossega na madrugada,

Sente-se o vento, negro, prateado, nos lábios do Diabo,

O regresso…

Nunca, nunca mais,

Porque a solidão namora as flores em papel, do jardim imaginário.

E o menino, com o tempo, cresceu.

Um relógio de luz, quando acorda o menino,

Alicerça-se nos braços lânguidos que o espaço alimente,

Dos calções, nada, nem a cor se aproveita,

Talvez, as árvores, as árvores plantadas por ele,

Hoje, nada, como os calções,

Pedaços em madeira, trapos, lágrimas desajeitadas…

Tudo, tudo morre, naquela terra prometida.

O mar, enfurecido, sacia-se nas rochas metamórficas do cansaço,

Um barco, espera pelo menino dos calções,

Estaciona-se junto à cidade,

Homens, marinheiros, mulheres, sem fazerem nada,

Espera que regresse o menino,

De longe,

De nada,

Ninguém.

O regresso nunca mais,

A terra húmida, depois um finíssimo fio de nylon,

Procura na multidão da cidade, o menino prometido,

Da terra sonâmbula,

Que o viu perder-se,

No meio do capim.

Machimbombos tropeçam nas finas lâminas da saudade,

Porque apesar de tudo, sempre, o menino, viveu na saudade,

De regressar, um dia,

À sua cidade.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

03/02/2020

publicado por Francisco Luís Fontinha às 20:09

19
Jan 20

Durante a noite, sem horários dentro de mim, atravesso as portas enferrujadas do Inferno.

Visto-me de negro,

Assalto as janelas da escuridão,

Antes de acordar o Sol.

É tarde.

O sono brinca no silêncio das fechaduras da insónia,

Os primeiros transeuntes, também eles, vestidos de negro,

Avançam em minha direcção;

Tenho medo, mãe!

Não sei se vou acordar, hoje, porque sinto-me envergonhado, por estar vestido de negro.

As pirâmides, que assombram o meu pensamento, dançam sobre um rio desenhado na minha mão,

Trago as pedras, e sou capaz de apedrejar esta maldita solidão, que abraça os musseques da minha infância.

Uma multidão em revolta, vem para mim,

Não sou capaz de correr, saltar, descer os socalcos que me separam do dia;

Ai os dias, ai os dias!

São todos iguais.

São dias, pedacinhos de quadricula numa folha de papel, que alguém apelidou de calendário.

Andam rápido. Caminham como serpentes, quando o Sol aquece a presa, o manjar prometido por Deus.

Morre-se, morrer-me como quem fuma um cigarro envenenado pela tempestade,

No sacrifício dos dias.

Durante a noite, fumo.

Bebo pequenas gotículas do tão falado vénedo, mato os pássaros, e fica em mim a saudade,

Simplesmente, às vezes, entram em mim as carruagens que trazem os pequenos blocos de granito,

Folhas de silício, almofadas para uma noite doente, sempre que oiço os gonzos da madrugada.

Durmo.

Esqueço a saudade.

E, prometo acordar cedo.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

19/01/2020

publicado por Francisco Luís Fontinha às 20:21

16
Jan 20

A fragilidade do corpo embrulhada no sono,

O cansaço das palavras, inertes, mortas,

Nas páginas sonâmbulas da tristeza,

O vento chora,

Traz a chuva,

Vai embora.

 

Todo o silêncio é pouco,

Quando os farrapos da saudade,

Envelhecem na escuridão,

 

A metáfora,

O sorriso das plantas,

Junto ao mar,

 

E inventam-se rosas em papel,

Comestíveis, às vezes, quando a fome é invisível,

Descendo o rio,

Saltando a ponte metálica,

Em direcção ao Sol,

Em direcção ao abismo.

 

Não quero pertencer a este conflito de interesses,

Caixas em cartão,

Revoltadas contra a geada,

A chuva, miudinha, perde-se na calçada.

E, no entanto,

Estou aqui,

Esperando o regresso das lâminas lágrimas,

Como se fossem balas de raiva, contra as paredes de xisto.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

16/01/2020

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:08

14
Jan 20

O silêncio apertado nos lábios da saudade.

O beijo suspenso na solidão nocturna do cansaço,

Há flores no meu jardim, envelhecidas,

Outras, cansadas,

Tristes rosas nas lágrimas da noite.

O pesadelo da infinita madrugada,

Quando traz a liberdade prometida,

Vaiada…

Garrida.

O texto que se escreve na penumbra,

Quando as palavras adormecem,

E, choram de alegria.

Regressa a morte,

Leva-o a passear,

Inventa amanheceres,

Como quando o poeta,

Derrama palavras emagrecidas,

A fome de viver,

A fome de caminhar junto ao rio,

E aquele silêncio,

Apertado,

Mergulha nos lábios da saudade.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

14/01/2020

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:46

12
Jan 20

(lavar a loiça, coisa e tal, arrumar a cozinha… decididamente, não tenho muito jeito para isto; sou melhor na poesia)

 

 

As cobras que habitam o meu jardim,

São silêncios de solidão,

São palavras suspensas na minha mão,

Dos livros absorvidos por mim.

As cobras que habitam o meu jardim,

São nuvens de espuma,

Brancura da vida,

No mar da despedida.

São transeuntes embriagados,

Ninhos de pássaro abandonados,

As cobras que habitam o meu jardim,

São a esperança de viver,

Estar calado,

Quando a Primavera acordar,

Sorrir,

E caminhar sobre os parêntesis do cansaço.

As cobras,

Que habitam o meu jardim,

São flores amestradas,

Papoilas envenenadas,

Pela geada,

Pela sombra da calçada.

As cobras,

Que habitam,

O meu jardim,

São lágrimas.

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

12-01-2020

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:19

06
Jan 20

A vida suspensa nas madrugadas de areia.

O cansaço das palavras na boca do Psicólogo, às vezes, tenho medo,

Da escuridão das personagens,

Quando o homem do chapéu negro,

Invade as paredes transparentes da saudade.

Está frio, meu amor.

O mar está longe,

Como as migalhas da solidão,

E este veleiro não pára,

Move-se,

Alimenta-se da minha pobre sombra.

Tenho medo, meu amor.

Tenho medo da saudade,

Quando inventada pela claridade dos dias tristes,

Cansados de viver.

Escrevo-te,

Desenho-te,

No caderno prateado que traz o silêncio da morte.

A verdade, custa.

O silêncio da verdade, custa mais…

Mas não interessa se as árvores vão sobreviver à saudade.

Porque dentro de mim, meu amor,

Só existe o cansaço das palavras.

Nada mais.

O cansaço das palavras.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

06/01/2020

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:36

03
Jan 20

Gosto,

Do teu perfume impregnado nas palavras do poema,

Quando o mar me chama,

Quando a maré me leva.

Gosto,

Do silêncio teu corpo,

Em delírio,

Dentro de uma cabana.

Gosto,

Dos livros que leio,

Das mãos que me acariciam,

E a madrugada ainda vem longe.

Gosto,

Do apito do petroleiro,

Fundeado nos teus seios,

Derramando gotículas de saliva…

Gosto,

E adoro,

Do significado transparente da tua sombra,

Quando o mar está bravo,

Quando o mar se veste de tempestade…

E morre com a saudade.

Gosto,

Da solidão das tuas mãos,

Porque, meu amor,

Gostar,

Pertence aos poetas,

Escritores,

Pintores…

Gosto,

De todos aqueles que amam,

Sofrem…

E sorriem,

Em frente ao espelho do cansaço.

 

 

Francisco Luís Fontinha – Alijó

3/01/2020

publicado por Francisco Luís Fontinha às 22:04

Março 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
12
13
14

15
16
17
19
20

22
23
24
25
26
27

31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO