Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

20
Out 14

O medo ejacular das tempestades de luar,

há nesse cansaço de amar uma velha equação,

um caderno quadriculado que alguém esqueceu no amanhecer,

há no teu sémen a estátua das palavras por escrever,

que se afogam no coração...

que não sentem a noite crescer, e há no teu olhar,

o finíssimo papel de acreditar... não havendo nuvens de brincar,

o medo afaga os teus inexistentes cabelos de arame farpado,

como uma jangada apodrecida num velho telhado,

e sem o saberes... vives esquecendo,

não viver, não vivendo...

a madrugada de sorrir,

 

Sonhas como sonham os homens de esqueleto em veludo,

não dormes,

não comes...

sonhas com planícies recheadas de crianças,

inventas baloiços na sombra das árvores...

e escondes dentro de ti... as lembranças,

 

Sabes que vais partir,

 

O medo ejacular das tempestades de luar,

a fogueira da paixão imune aos silêncios de prata,

o navio que te transporta... aportado num bairro em lata,

achatado,

mal iluminado,

tão triste como os teus braços de amendoeira doente...

poisam em ti as abelhas sílabas dos infernos ilimitados,

gritas,

e gritas... gritas através dos vidros laminados,

gritas...

“coitados”...

acorrentados à voz que lhes mente.

 

 

 

Francisco Luís Fontinha

Segunda-feira, 20 de Outubro de 2014

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:56

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Outubro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO