Blog de Luís Fontinha. Nasceu em Luanda a 23/01/1966 e reside em Alijó - Portugal desde Setembro de 1971. Desenhador de construção civil, estudou Eng. Mecânica na ESTiG. Escreve, pinta, apaixonado por livros e cachimbos...

06
Mai 16

Os cigarros no atropelo da noite

Sem ninguém junto ao luar,

Os viciados poemas cansados de lutar

Na ânsia da alvorada,

O preguiçoso mosquito… sobre a mesa-de-cabeceira,

Entre círculos e quadrados,

Entre geringonças e roldanas falsas,

E de cabeça lapidada…

Vou-me a eles,

Aos cigarros,

Fumo-os e escrevo no teu ventre a poesia anónima do destino,

Corro sobre o arvoredo,

Salto a montanha,

E sento-me nos rochedos da miséria,

Vagabundo vegetariano do mundo indefeso,

Sinfonia dos morcegos

Nas tardes junto ao rio,

Ao longe o teu olhar cor de pérola amargurada

Difuso,

Distante dos meus olhos vidrados pela geada,

Os cigarros em transe,

A madrugada sitiada

No meu coração…

E sinto-me um prisioneiro do amanhecer,

E sinto-me um cardume indefinido pelo sexo, idade ou religião…

Perco-me em ti,

Como se fosses uma transatlântica manhã de Inverno

Sobre os carris da insónia,

Grito,

Grito enquanto dormes sobre o meu peito,

E se me ouves…

Diz-me…

Como se chamam as pedras do teu sorrir

Que me acordam ao entardecer.

 

Francisco Luís Fontinha

sexta-feira, 6 de Maio de 2016

publicado por Francisco Luís Fontinha às 21:46

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Maio 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
12

16

23
25
26

29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO